Seleção masculina de vôlei vai a Paris em busca da redenção

LUCAS BOMBANA

selecao-masculina-volei-paris
Foto: Mauricio Val/FVImagem/CBV

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A seleção masculina de vôlei do Brasil vai lutar pelo tetracampeonato olímpico nos Jogos de Paris em 2024 pressionada pelos resultados recentes e pelo peso do legado dourado deixado pelas gerações passadas.

O agora ex-técnico da seleção Renan Dal Zotto alegou motivos de saúde ao anunciar sua saída do comando do time logo após a suada classificação olímpica, no domingo (8).

No jogo decisivo que garantiu a vaga do Brasil nas Olimpíadas de 2024 e durante a campanha no pré-olímpico, vaias contra Dal Zotto puderam ser ouvidas das arquibancadas do Maracanãzinho. Nas redes sociais, torcedores fizeram uma série de publicações pedindo a saída do técnico, com a hashtag #ForaRenan.

À frente da seleção desde 2017, o técnico passou a ter o nome questionado de maneira mais contundente por conta de reveses recentes sofridos pela equipe. Alguns deles históricos.

Entre as derrotas mais simbólicas, em torneio preparatório para o pré-olímpico, o Brasil perdeu por 3 sets a 0 para a Argentina na final do Sul-Americano. Foi a primeira vez que o time não venceu o torneio, considerando as edições em que participou.

Em julho, a seleção já havia sido derrotada por 3 sets a 0 pela Polônia, parando nas quartas de final da Liga das Nações, mesma fase em que perdeu em 2022, quando caiu frente aos EUA.

Embora elas não tenham sido para adversários inexpressivos no esporte, as derrotas entraram na conta de Dal Zotto, que passou a ter de conviver com cobranças redobradas para conseguir a classificação para Paris.

A seleção da Argentina foi a terceira colocada em Tóquio-2021, vencendo o Brasil -já sob o comando do agora ex-técnico- na disputa pelo bronze, e foi a campeã do Pan-Americano de Lima, em 2019. A seleção da Polônia é a atual vice-campeã mundial e lidera o ranking de seleções da FIVB (Federação Internacional de Vôlei).

Expoente da “geração de prata” do vôlei, Dal Zotto também já havia passado sufoco para classificar o Brasil para os Jogos Olímpicos no Japão, tendo conseguido a classificação no pré-olímpico de 2019 no último jogo, em uma vitória dramática de virada por 3 sets a 2 contra a Bulgária, na casa do adversário.

Mas ele também teve algumas conquistas importantes à frente da seleção, como o troféu da Liga das Nações, em 2021, além da Copa do Mundo, em 2019, e da Copa dos Campeões, em 2017.

No Mundial de 2022, a seleção brasileira terminou com o bronze, caindo nas semifinais para a Polônia em uma partida de cinco sets na casa do adversário.

O Brasil também teve vitórias de peso com Dal Zotto como técnico, a mais recente delas nesta semana, quando se garantiu em Paris batendo a Itália, atual campeã mundial, no último jogo do pré-olímpico. O torneio marcou a ascensão de novos jogadores na equipe, como do oposto Darlan Souza, mas ainda mesclada com a experiência de veteranos como Lucarelli e Bruninho.

Em meio a um misto de resultados positivos e negativos de um time em renovação, o técnico da seleção também sofreu com as inevitáveis comparações que chegam devido ao retrospecto vitorioso da seleção masculina.

Nas últimas duas décadas, o Brasil foi um dos países mais dominantes do esporte, tendo vencido praticamente tudo.

De 2000 para cá, conduzida por uma geração que contava com nomes como Giba, Serginho e Nalbert, a seleção foi bicampeã olímpica –em Atenas-2004 e no Rio-2016– e enfileirou conquistas como o tricampeonato mundial consecutivo entre 2002 e 2010 e oito Ligas Mundiais entre 2001 e 2010.

Um dos símbolos dessa fase gloriosa, o atual coordenador de seleções, Bernardinho, foi apontado nas redes sociais como o substituto favorito para o lugar de Dal Zotto.

Técnico da seleção masculina entre 2001 e 2017, Bernardinho foi anunciado em setembro pela CBV (Confederação Brasileira de Voleibol) para voltar à seleção no posto de coordenador. Segundo a entidade, a chegada visa o planejamento para os Jogos de 2024, 2028 e 2032.

“Quero usar minha experiência para contribuir, principalmente no desenvolvimento de jogadores mais jovens”, afirmou na ocasião Bernardinho, que acumula o cargo com o de técnico do time de vôlei feminino Sesc Flamengo. Procurado pela reportagem, o coordenador de seleções informou por meio de sua assessoria que não iria comentar.

Em entrevista após o jogo contra a Itália, no Rio de Janeiro, o presidente da CBV, Radamés Lattari, não quis falar sobre possíveis nomes para o comando da seleção.

“Vamos comemorar essa classificação e, daqui a alguns dias, pensamos. O Brasil tem vários bons treinadores. Vamos pensar com calma daqui a pouco”, afirmou o dirigente ao UOL. A CBV afirmou que o nome do novo treinador “será anunciado em breve”.

Seja com Bernardinho ou com algum outro profissional, a seleção brasileira de vôlei deve passar por um processo de renovação para os próximos ciclos olímpicos.

Ainda com alguns veteranos exercendo papel de liderança no time, casos de Bruninho e Lucão, a equipe acabou sofrendo no último ciclo com desfalques inesperados, como dos campeões olímpicos Douglas Souza e Maurício Souza –o primeiro anunciou a aposentadoria precoce da seleção no ano passado, enquanto o segundo foi demitido do clube em que atuava por comentários homofóbicos.

No pré-olímpico, em que também não pôde contar com o cubano naturalizado brasileiro Yoandy Leal, se recuperando de lesão, o Brasil viu surgir um potencial novo ídolo do esporte.

Com apenas 21 anos, Darlan Souza foi o grande destaque da seleção. Maior pontuador brasileiro na competição com 112 pontos, o jogador do Sesi-Bauru levantou a torcida em momentos em que o time passava por dificuldades, ganhou a simpatia do público pela forma inusitada de comemorar os pontos, com gestos de um personagem de mangá japonês, e virou símbolo da renovação na seleção.

Entre no grupo do Massa News
e receba as principais noticias
direto no seu WhatsApp!
ENTRAR NO GRUPO
Compartilhe essa matéria nas redes sociais
Ative as notificações e fique por dentro das notícias
Ativar notificações
Dá o play Assista aos principais vídeos de hoje
Colunistas A opinião em forma de notícia
Alisha
Alorino
Antônio Carlos
Bianca Granado
Camila Santos
Edvaldo Corrêa
Elaine Damasceno
Fabiano Tavares
Gabriel Pianaro
Giselle Suardi
Guilherme C Carneiro
Mateus Afonso
Mauro Mueller
Oseias Gomes
Papai em Dobro
Tais Targa