Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

IAPAR mostra técnicas para identificação, prevenção e controle da estria bacteriana do milho

- IAPAR mostra técnicas para prevenção da estria bacteriana do milho

Modos de disseminação, sintomas, potencial de danos às plantas, medidas de prevenção e controle. Essas e outras dúvidas a respeito da estria bacteriana do milho são explicadas em detalhes pelos pesquisadores do Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) durante o Show Rural.

Causada por uma bactéria, a doença foi detectada pela primeira vez no Brasil em lavouras da segunda safra de 2018 no Oeste do Paraná. Pouco depois, houve também registros nas regiões Centro-Oeste e Norte do Estado. Em cultivares mais suscetíveis, a estria bacteriana do milho pode comprometer mais de 50% da produtividade, esclarece o pesquisador Adriano de Paiva Custódio.

Na safra atual, a estria bacteriana vem sendo detectada em novos municípios das mesmas regiões paranaenses, de acordo com o fitopatologista Rui Pereira Leite, do IAPAR.

Descoberta  

Sintomas da estria bacteriana vinham sendo observados desde 2016 em áreas experimentais do Centro de Pesquisa Agrícola da Cooperativa Agropecuária Consolata (Copacol), em Cafelândia. Mas eram pouco frequentes e os técnicos julgaram tratar-se de uma doença secundária.

O problema aumentou de intensidade na segunda safra do ano passado, e os técnicos da região encaminharam amostras de plantas infectadas ao laboratório de bacteriologia do IAPAR, em Londrina, que confirmou tratar-se da estria causada pela bactéria Xanthomonas vasicola pv. vasculorum.

Por ser a primeira constatação no Brasil, o IAPAR imediatamente notificou ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) a ocorrência de uma nova doença em lavouras de milho no Paraná, como determina a legislação.

Disseminação   

A bactéria causadora da estria bacteriana do milho pode se propagar nas lavouras por meio da chuva, vento, água de irrigação e equipamentos como tratores, implementos, colhedoras e caminhões, explica Rui Pereira Leite.

Também pode sobreviver de uma safra para outra na palhada e restos de culturas, ou mesmo em outras plantas hospedeiras, invasoras ou cultivadas – espécies como arroz e aveia também são suscetíveis.

Uso de sementes de boa qualidade e de cultivares menos suscetíveis, desinfestação de equipamentos, rotação de cultivos e destruição de restos de cultura são as principais práticas de controle. Ainda não há produtos químicos testados para o controle da doença.

IAPAR e empresas produtoras de sementes estão testando a resistência à bactéria dos principais híbridos disponíveis no mercado. Também estão em avaliação produtos químicos que possam ter efeito contra a doença. Os resultados preliminares estão sendo apresentados no Show Rural.

Fonte: Edmilson Gonçales Liberal

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo