Ação conjunta acaba com quadrilha especializada em golpes pela internet

Quatro pessoas foram presas na manhã desta quinta-feira (15) em Ponta Grossa como parte da Operação Aracne, desencadeada pela Polícia Civil com o apoio do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco). O objetivo da ação foi desmantelar uma organização criminosa especializada em golpes aplicados pela internet. Foram cumpridos 13 mandados de busca e apreensão e três mandados de prisão de integrantes do grupo.

A investigação que culminou nesta operação é uma continuação do trabalho desempenhado desde o ano passado, quando mais de 80 cartões e dez máquinas foram apreendidos já como parte da apuração desse tipo de crime. Com o avanço das investigações pela Polícia Civil e com a troca de informações com o Gaeco, constatou-se que o grupo integrava uma quadrilha especializada em golpes.

Divulgação/Polícia Civil

De acordo com o delegado Fernando Jasinski, que comandou a operação da parte da Polícia Civil, entre os crimes praticados pelo grupo estariam “golpes valendo-se de sites falsos e outros artifícios para captar os dados privados financeiros das vítimas, encaminhando, para tanto, e-mails maliciosos; encaminhamento de boletos falsos (IPVA, fatura de cartão de crédito)”. Além disso, os integrantes da quadrilha também praticavam a engenharia social, enganando e persuadindo as vítimas a revelar dados bancários.

Divulgação/Polícia Civil

Para ocultar a origem dos valores, os membros do grupo usavam contas de laranjas para realizar operações financeiras de grandes valores. “Durante o curso da operação, apurou-se, em um único dia, a movimentação no valor de R$ 1,5 milhão, sendo observado intensas movimentações de operações financeiras em praticamente em todos os dias”, completa Jasinski.

Foram presos preventivamente dois homens de 28 e 34 anos e uma mulher de 21 anos. As prisões ocorreram no bairro Contorno, em Ponta Grossa. Também durante a operação, desta vez no bairro Nova Rússia, foi preso um homem de 68 anos com um revólver calibre 38 e dezenas de munições do mesmo calibre.

Divulgação/Polícia Civil

Durante as buscas nos endereços autorizados pela Justiça, foram apreendidos vários cartões, celulares, relógios, aparelhos de informática, seis veículos e uma moto, além de outros objetos e dinheiro. Os policiais também encontraram uma pistola 9 milímetros com dois carregadores – essa arma tinha registro, mas foi apreendida por fazer parte da investigação.

O trabalho das forças de segurança continua para tentar identificar vítimas dos criminosos e também encontrar outros membros do mesmo grupo.