Acusado de matar ex-sogra e arrastar corpo em córrego no Paraná é preso em Portugal

O Ministério Público deu entrada no pedido de extradição para que o acusado seja julgado no Brasil

Um homem denunciado por feminicídio pelo Ministério Público do Paraná, por meio da 2ª Promotoria de Justiça de Goioerê, no Centro-Ocidental do estado, foi preso nesta semana em Portugal, na Europa. A prisão aconteceu após o MPPR haver pedido a inclusão do réu, foragido, na “difusão vermelha” da Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol). A “difusão vermelha” equivale a um mandado de captura internacional, e o pedido de inclusão ocorreu após indícios de que o réu havia fugido para o exterior.

O crime aconteceu em 1º de janeiro de 2020, quando o acusado teria feito dois disparos com arma de fogo, à queima roupa, contra sua ex-sogra. Após o homicídio, o réu teria deixado o cadáver em um córrego nas proximidades, sendo por isso denunciado também por ocultação de cadáver.

Conforme as investigações, após o fim do relacionamento que mantinha com a filha da vítima, o homem vinha tentando insistentemente reatá-lo, o que motivou sua ex-mulher a solicitar medida protetiva contra o ex-marido. Ele teria ido à casa da vítima à procura da ex-mulher.

Vítima

Lucélia Souza Chagas, de 42 anos, morreu em uma chácara às margens da rodovia BR-272. O corpo da vítima estava com a boca amarrada com uma sacola plástica e foi jogado em um lago.

Extradição

O MPPR foi avisado na quarta-feira (14) sobre a prisão do foragido, ocorrida na segunda (12). Na quinta-feira (15), o Ministério Público deu entrada no pedido de extradição, para que o acusado seja processado e julgado no Brasil.

Colaboração Ministério Público do Paraná (MP-PR)