Aplicativos do TSE encerra eleições com mais de 52,9 mil denúncias

O aplicativo Pardal, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), encerrou as eleições deste ano com 52.920 denúncias de propaganda eleitoral irregular. Segundo a Corte, a cifra, 8,72% superior ao registrado no pleito de 2018, retrata uma maior participação do eleitorado como fiscal do processo eleitoral, bem como dos próprios órgãos de fiscalização.

O recorde foi registrado no dia 2 de outubro, data do primeiro turno das eleições, com 5.332 denúncias. No dia do segundo turno, 30 de outubro, foram 3.004 relatos. Já em relação ao acumulado, o primeiro turno registrou 37.486 queixas e, o segundo turno, 15.434. Além de propaganda irregular, foram denunciados compra de votos e uso da máquina pública.

A maior parte dos relatos se refere às campanhas para deputados federal (12.802) e estadual (12.607), restritas ao primeiro turno do pleito. Logo em seguida aparecem os cargos em que houve disputa no segundo turno do pleito: presidente da República (10.914 denúncias) e governador (4.493). Para deputado distrital foram 1.258 registros e para senador, 813.

De acordo com o TSE, o Sudeste acumulou o maior número de denúncias desde o começo da campanha eleitoral, com 18.374 relatos, seguido pelo Nordeste (15.263) e pelo Sul (9.832), Centro-Oeste (5.752) e Norte (3.699). Por estado, São Paulo e Minas Gerais lideraram o ranking de queixas, com 7.438 e 5.639, respectivamente.

“As denúncias deram origem a 14.568 (24,91%) processos que estão em tramitação no Processo Judicial Eletrônico (PJe) da Justiça Eleitoral. A apuração é feita pelo Ministério Público Eleitoral. Caso seja confirmada a procedência, o MPE propõe a abertura de ação civil pública contra os candidatos denunciados”, informou a Corte.

Informações SBT News