Após 23 dias, finalmente a família pode enterrar Maria Elena De Jesus

Agora a família só pensa em justiça. A reconstituição do crime está marcada para semana que vem

Parentes e amigos de Maria Elena de Jesus enfim puderam dar o último adeus. O caixão estava ali, mas ninguém queria acreditar. O corpo chegou da funerária e o cortejo seguiu direto ao destino final. Não havia a necessidade de mais um velório.

Foram 23 dias de angústia e sofrimento para a família. No início ainda havia esperança de que Maria Elena estivesse viva em algum lugar. Mas com o passar dos dias, as evidências não deixaram dúvidas de que a garota havia sido assassinada.

Faltava, contudo, localizar o corpo, encontrado nesta quarta-feira (02), na Estrada da Graciosa. Dona Claudete, mãe de Maria Elena, estava inconsolável. Poder dar um enterro digno a jovem, de certa forma traz alívio a família, mas não minimiza a dor e o sentimento de revolta. Não podia ser diferente.

Leonardo Xavier Simões, assassino confesso de Maria Helena, deve ser indiciado pelos crimes de feminicídio e ocultação de cadáver. O irmão dele, Ricardo Xavier Rolim, ajudou a esconder o corpo e também será responsabilizado. Os dois estão presos na delegacia de São José dos Pinhais.

Um dia antes, durante protesto da família da vítima em frente à casa da mãe dos irmãos, Ricardo ameaçou os parentes de Maria Elena. Ainda há detalhes do crime a serem esclarecidos. Para a família, o enterro é apenas o fim de um capítulo dessa história, que só vai terminar no dia em que os culpados forem julgados e condenados.

Veja mais detalhes deste caso na reportagem completa do Tribuna da Massa Curitiba desta sexta-feira (05):