Boca Maldita recebe campanha de prevenção ao câncer de boca

Dezenas de profissionais de saúde bucal e acadêmicos da área de saúde se reúnem na sexta-feira (25), na Boca Maldita, em Curitiba, para participar da 34.ª Campanha de Prevenção de Câncer Bucal. A ação, programada para acontecer das 9h às 16h, realiza exames de prevenção e busca conscientizar a população sobre os fatores causadores de câncer bucal.

Realizado pelo Hospital Erasto Gaertner (HEG), com o apoio da Universidade Positivo (UP), o evento conta com a participação de aproximadamente 60 estudantes do curso de Odontologia. “Ações como essa permitem a capacitação dos acadêmicos sobre o assunto. Eles também têm a oportunidade de dar orientações de prevenção na prática, em um momento de interação direta com a comunidade e outros profissionais da saúde”, explica o professor do curso de graduação em Odontologia da Universidade Positivo, Acir José Dirschnabel.

De acordo com Dirschnabel, quando diagnosticada cedo, a doença tem cura. “Para aumentar as chances, é necessário que o paciente procure atendimento odontológico ou médico caso encontre alguma ferida na boca”, orienta. Dados do Hospital Erasto Gaertner indicam que 15% dos pacientes atendidos na campanha de 2021 foram encaminhados para o Centro de Especialidade Odontológicas da Prefeitura de Curitiba e para o Erasto Gaertner.

Para este ano, os responsáveis pela ação querem superar os atendimentos de 2021, uma vez que a doença é uma denominação que inclui os cânceres de lábio e de cavidade oral (mucosa bucal, gengivas, palato duro, língua e assoalho da boca) e está entre as principais causas de mortes por neoplasias, ou seja, crescimento anormal do número de células. Atualmente, mais de 50% dos casos são diagnosticados em estágios avançados da doença, quando as chances de cura são mais reduzidas.

Realizada há 34 anos pelo HEG, a ação tem gerado mudanças no comportamento da população, resultados positivos em relação ao diagnóstico precoce e, como consequência, o aumento das chances de cura. O dentista Laurindo Sassi, chefe do Serviço de Cirurgia Bucomaxilofacial do Hospital Erasto Gaertner, alerta que a população está mais informada sobre a prevenção, mas ainda é preocupante o número de pessoas que desconhecem a doença e são encaminhadas para tratamento a partir de simples eventos de prevenção. “Uma pesquisa feita pelo nosso serviço, em todo o Paraná, revela que 20% da população nunca ouviu falar sobre o câncer de boca. São pessoas que não têm ideia de que a doença existe e precisam que a informação chegue até elas”, destaca Sassi.

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) projeta mais de 15 mil novos casos por ano desse tipo de câncer no Brasil entre 2020 e 2022. Enquanto 11 mil devem ocorrer em homens, a incidência em mulheres deve ficar em torno de 4 mil. O câncer da cavidade oral é o 13.º mais comum no país. A Organização Mundial da Saúde (OMS) relaciona o câncer de boca ao tabagismo e ao consumo excessivo de álcool, além da exposição ao sol sem proteção – que é um fator de risco importante para o câncer de lábio -, o excesso de gordura corporal, a infecção pelo HPV, normalmente relacionada ao câncer de orofaringe e fatores associados à exposição a agentes cancerígenos no ambiente de trabalho.

Com informações da assessoria de comunicação do Hospital Erasto Gaertner e Universidade Positivo.