Comunidade do Parolin ganha área de lazer com quadras de futebol, vôlei e basquete

A comunidade do Parolin ganhou uma área de lazer construída pela Prefeitura nas margens do Rio Vila Guaíra. O espaço, antes ocupado irregularmente por moradias precárias, deu lugar a uma estrutura com quadra de futebol com grama sintética, minifutebol, vôlei de areia, basquete, além de parquinho infantil, ciclovia e pista de caminhada.

Parques e outras unidades de conservação estão com uso restrito enquanto a cidade permanecer em bandeira vermelha para conter a disseminação do novo coronavírus. Contudo, a intervenção possibilitou uma estrutura definitiva que poderá ser utilizada pela população quando as medidas restritivas terminarem.

A transformação é resultado do trabalho integrado da Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab), da Secretaria Municipal de Obras Públicas (Smp) e da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SMMA). O modelo será replicado ao longo do rio, formando um parque linear à medida que avancem as obras que estão em andamento.

“Além de promover espaços de cidadania e qualidade de vida para a população, a implantação da área de lazer, com equipamentos e vegetação, ajuda a preservar a margem do rio e evita novas ocupações irregulares. É Curitiba sendo bem cuidada”, destaca o prefeito Rafael Greca.

A vila está mais bonita

No trecho da Rua Chanceler Lauro Muller até a Brigadeiro Franco, do lado oposto ao parque linear, a Cohab reassentou ao longo dos anos em torno de 70 famílias. Já na margem onde foi implantado o parque, na Rua João Fagundes Machado, outras 60 famílias foram transferidas para novas casas construídas do entorno da comunidade.

“A atuação da Cohab garantiu moradia digna para as famílias e permitiu importantes obras de urbanização e contenção de cheias, que trazem melhorias na vida de toda a população da região”, explica o presidente da Cohab, José Lupion Neto.

A costureira Rosemeri dos Reis, 40 anos, foi uma das moradoras reassentadas. Ela vivia onde hoje são as quadras esportivas e foi transferida para uma casa nova.

“Aqui onde vivo hoje é muito melhor, me sinto segura. Consegui arrumar a casa do jeito que eu sonhava. Lá na beira do rio alagava toda vez que chovia. As quadras que fizeram e o espaço de lazer deixaram a vila muito mais bonita”, disse ela.

A dona de casa Julia Cândido dos Reis Batista, 57 anos, relembra a dura realidade que viviam antes da intervenção.

“O lugar que a gente estava antes, onde agora foram construídos os campos, era muito ruim para morar. O rio enchia, alagava nossa casa e a gente estava sempre assustado, com medo de a casa desmoronar ou acontecer algo pior”, relata Julia.

Parque

O projeto da Secretaria Municipal do Meio Ambiente conta com quadras de futebol com grama sintética, de 18m x 36m; minifutebol e vôlei de areia com 15m x 24m e de basquete modalidade 3×3, com 18m x 18m. Também há parquinho, kit ginástica e foi feito plantio de grama e mudas nativas. Todas as estruturas possuem iluminação e proteção de alambrado.

A iluminação permite que a comunidade utilize o espaço à noite, como conta o presidente da Associação de Moradores, Edson Rodrigues.

”O parque linear é mais um resultado da transformação que a Prefeitura está fazendo aqui na vila. A iluminação permite que as pessoas que trabalham durante o dia possam usar a estrutura no período da noite”, afirma Edson.

O cuidado por parte dos moradores torna o local ainda mais agradável. A dona de casa Maria de Fátima de Oliveira Gomes, 66 anos, foi uma das primeiras a se instalar na vila, há quatro décadas. Ela cultiva diversas plantas ao longo da área de lazer e cita os nomes com orgulho.

“Azaleia, malva, mão-de-deus, caliandra, sangra d’água, espada de São Jorge. Eu gosto de cuidar desse espaço aqui, cuido das plantas como se fossem as que tenho no meu quintal. É importante que toda a comunidade ajude a cuidar, não é? Porque a praça é de todos, nós que usamos”, afirma Maria de Fátima.

O projeto

As obras de macrodrenagem no Rio Vila Guaíra fazem parte de um pacote de várias frentes para controle de cheias na Bacia do Rio Pinheirinho. No total, são oito quilômetros de extensão, passando por cinco bairros da cidade: Lindóia, Parolin, Fanny, Guaíra e Hauer.

Para o controle de cheias, o município está investindo R$ 120 milhões na dragagem de oito quilômetros de rios (e 16 quilômetros de contenção de margens) nos bairros Parolin, Fanny, Lindóia e Guaíra.

O projeto de urbanização da Cohab no Parolin reassentou, ao longo dos anos, 485 famílias em novas casas, pavimentou vias e construiu equipamentos comunitários como escola, CMEI, Unidade de Saúde, Cras e barracão de reciclagem.

Informações da Prefeitura Municipal de Curitiba