Farmacêutica MSD ajudará na fabricação de vacina da Johnson & Johnson contra Covid-19

Por Nandita Bose e Michael Erman

(Reuters) – A farmacêutica MSD vai ajudar a fabricar a vacina de dose única de sua rival Johnson & Johnson contra a Covid-19 em parceria anunciada pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, nesta terça-feira.

Biden disse que o governo dos EUA evocou o Ato de Produção de Defesa para ajudar a equipar duas unidades da MSD para fabricar a vacina da Johnson.

“Uma das coisas que fiquei sabendo quando cheguei ao cargo foi que a Johnson & Johnson estava atrasada na produção”, afirmou Biden. “Simplesmente não estava indo rápido o suficiente. Então minha equipe tem trabalhado muito para acelerar esse esforço.”

Biden disse que as unidades da Johnson & Johnson que já estão fabricando a vacina também irão aumentar a produção, operando 24 horas por dia e 7 dias por semana. 

O aumento da oferta de vacinas da Johnson & Johnson vai acelerar a campanha de vacinação dos EUA de maneira considerável. As duas outras vacinas autorizadas pelos EUA e produzidas pela Pfizer com a parceira BioNTech e pela Moderna necessitam de duas doses em um intervalo de algumas semanas.

Biden afirmou que seu governo já garantiu vacinas suficientes para imunizar todos os adultos dos Estados Unidos até o final de maio. 

Sob contrato, a Johnson precisava entregar 12 milhões de doses até o final de fevereiro, mas tinha menos de 4 milhões delas prontas para envio quando a vacina foi autorizada no sábado. 

A empresa espera poder entregar outras 16 milhões de doses até o final do mês – remessa ainda abaixo do compromisso firmado – mas não irá despachar nenhuma dose na semana que vem.

A farmacêutica anunciou que conseguirá disponibilizar as 100 milhões de doses completas que aceitou fornecer até o prazo original no meio do ano. 

“Esperamos que esse acordo de fabricação aumente nossa capacidade de produção para que possamos fornecer além dos nossos atuais compromissos”, disse a Johnson & Johnson em nota.

(Reportagem de Manas Mishra em Bengaluru, Michael Erman em Nova York, Nandita Bose, Steve Holland e Susan Heavey em Washington)

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH211LB-VIEWIMAGE