Amazon reembolsará funcionários nos EUA por viagens para abortos e outros procedimentos médicos

A Amazon.com disse a seus funcionários nos Estados Unidos na segunda-feira que pagará até 4.000 dólares em despesas de viagem anualmente para tratamentos não vitais, incluindo abortos, de acordo com uma mensagem vista pela Reuters.

A decisão torna a varejista a mais recente empresa depois do Citigroup, Yelp e outros a responder às leis estaduais apoiadas pelos republicanos que restringem o acesso ao aborto, ajudando os funcionários a contorná-las.

A Suprema Corte dos EUA deve decidir até o final de junho um caso que dá à sua maioria conservadora a chance de reverter os direitos ao aborto ou até mesmo derrubar a decisão histórica do caso Roe v. Wade, de 1973, que legalizou o procedimento em todo o país. Cerca de duas dúzias de Estados, incluindo Oklahoma e Alabama, têm projetos destinados a limitar o acesso ao aborto caso a decisão Roe seja revogada.

O novo benefício da Amazon, com efeito retroativo a 1º de janeiro, aplica-se caso uma operação não estiver disponível em um raio de 161 km da casa de um funcionário e o atendimento virtual não for possível, disse a mensagem da empresa. A medida engloba funcionários dos EUA ou dependentes cobertos inscritos em planos de saúde Premera ou Aetna, independentemente de trabalharem em um escritório administrativo ou em um depósito.

Os reembolsos que a Amazon anunciou na segunda-feira não são específicos para o aborto. Eles fornecem outros tratamentos não vitais, como em torno de cardiologia, terapias genéticas celulares e tratamento de transtorno de abuso de substâncias. Separadamente, a Amazon oferece até 10.000 dólares em reembolsos anuais de viagem para problemas que envolvem risco de vida.

A notícia veio no dia em que a Amazon parou de oferecer folga remunerada para funcionários dos EUA diagnosticados com Covid-19, permitindo que eles tivessem cinco dias de licença não remunerada justificada.