Bairro de Curitiba recebe mutirão contra a dengue

Desde esta quinta-feira (1º) até a próxima terça-feira (6), moradores do Prado Velho recebem o Mutirão Curitiba Sem Mosquito, que faz a orientação da população para retirar lixos e entulhos a serem recolhidos e encaminhados para o descarte correto.

Esta é a 13ª etapa da ação da Prefeitura de Curitiba em 2022, uma parceria da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) com a Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SMMA) que visa evitar criadouros do mosquito Aedes aegypti, que transmite as doenças dengue, zyka e chikungunya. 

Cronograma 

Nesta quinta e sexta-feira (1º e 2 de setembro), agentes de combate às endemias da Regional Matriz (que engloba o bairro Prado Velho) visitam os moradores das casas nos arredores da Unidade de Saúde Capanema, orientando sobre quais materiais podem virar criadouro do Aedes e que devem ser recolhidos para o descarte. A separação pode ser feita no fim de semana.

Na segunda e terça-feira (5 e 6 de setembro), é a vez de equipes da SMMA passarem nessas mesmas regiões, com caminhões para o recolhimento do entulho.

As regiões visitadas pelas equipes são escolhidas conforme a avaliação de maior risco para a proliferação do Aedes.

A coordenadora do Programa Municipal do Controle do Aedes, Tatiana Faraco, destaca que essa é uma das ações importantes que Curitiba vem desenvolvendo, desde 2017, para conscientizar a população dos riscos das doenças transmitidas pelo mosquito, incentivando-os a contribuir para um ambiente livre do Aedes aegypti.

“A comunidade tem papel decisivo no controle do vetor, mantendo os cuidados durante o ano todo para evitar a proliferação do mosquito”, diz Faraco.

Este ano, o Mutirão Curitiba sem Mosquito já passou por bairros dos distritos sanitários Portão, CIC, Boa Vista, Boqueirão, Tatuquara, Cajuru e Pinheirinho. Só em 2022, foram coletadas 412 toneladas de lixo e entulhos que poderiam acumular água e virar criadouro do Aedes aegypti.

Cuidado constante

Ações de combate ao mosquito feitas diretamente com os moradores são necessárias para evitar o aumento do número de focos do mosquito na cidade: atualmente, 65% dos focos são encontrados em residências curitibanas.

Identificação dos agentes

Além de uniformizados e identificados, os agentes usam os equipamentos recomendados e mantêm todas as medidas de prevenção do novo coronavírus. Todos os agentes apresentam crachás que trazem suas credenciais profissionais.

Em caso de dúvida, é possível ligar para o 156 para checar se aquele profissional realmente faz parte da equipe da SMS.

Informações da Prefeitura de Curitiba