Bolsonaro diz ter solução para guerra entre Rússia e Ucrânia e que falará com Zelenskiy na próxima semana

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, em entrevista à CNN Brasil, que tem uma ligação marcada com o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, na próxima segunda-feira, e que dirá ter a solução para a guerra, indicando que a Ucrânia deve entregar as armas.

“Eu posso adiantar para ele o que eu acho. A solução para o caso… Eu sei como seria solucionado, mas não vou falar para ninguém. Eu posso até adiantar para vocês… Como é que acabou a guerra da Argentina com o Reino Unido em 1982? É por aí… A gente lamenta tudo que acontece, mas a realidade, a verdade, são coisas que doem, machucam, mas você tem que entender”, afirmou.

A guerra das Malvinas, em 1982, aconteceu depois que a Argentina invadiu as ilhas, que ficam dentro de seu mar territorial, mas são território britânico. Em pouco mais de dois meses, os argentinos, sem o mesmo potencial bélico e treinamento dos britânicos, tiveram que aceitar a derrota.

Bolsonaro contou que Zelenskiy pediu a conversa

“Eu de imediato falei que converso com ele sim. Ele tem um país ali grande para administrar. Essa guerra tem causado transtornos enormes, para o Brasil menos, é muito mais para a Europa”, afirmou.

Desde o início da guerra, apesar de a diplomacia brasileira ter condenado a invasão, Bolsonaro estreitou sua relação com o presidente russo, Vladimir Putin, e nunca condenou pessoalmente a ação russa.

Sem aderir às sanções internacionais impostas ao país, o governo brasileiro manteve negociações com a Rússia, incluindo a compra de fertilizantes e, mais recentemente, para aquisição de diesel do país, mais barato que o mercado internacional, já que os europeus reduziram drasticamente a compra.

Poucos dias antes da Rússia invadir a Ucrânia, Bolsonaro visitou o país e se reuniu com Putin, apesar dos apelos da União Europeia e dos Estados Unidos para que a visita fosse cancelada.