Família reconhece corpo de homem que morreu em frente a hospital

O homem que morreu na sexta-feira (3), após passar horas em frente a um pronto-socorro de São Paulo sem ser atendido, mesmo com um ferimento visível na perna, foi reconhecido pela família. Neste sábado (4), os irmãos Luana Aparecida e Leandro Augusto foram ao Instituto Médico Legal (IML) Central de São Paulo e constataram: o corpo era do pai deles, Sebastião Fernandes Guimarães, de 69 anos.

Abalados, Luana e Leandro informaram, ao SBT, que Sebastião vinha apresentando problemas psiquiátricos nos últimos tempos. Com isso, ele, que trabalhava como pedreiro, permaneceu por dois meses na casa do filho em Sorocaba (SP). No entanto, fugiu. Deixou a cidade do interior há cerca de 15 dias e o paradeiro passou a ser desconhecido da família.

Luana, no entanto, ao ver reportagens sobre o caso do homem que morreu após não receber atendimento médico, desconfiou que havia, finalmente, descoberto onde o seu pai estava. “Eu vi, pela mão, achei muito parecida”, disse. “E também vi quando ele disse para a ambulante que o nome dele era Fernando”, prosseguiu a filha de Sebastião. Ela ainda informou que o IML irá confirmar as digitais.

Indignação

Ao lado da mãe e de Leandro, Luana reclamou do modo em que seu pai foi tratado. “A gente fica indignada, pois ele estava na frente do hospital”, afirmou. “Ele tentou ser atendido? Já estava idoso, debilitado, com problema na perna”, continuou. “Não sabemos direito o que aconteceu, mas vamos buscar saber e tomar as devidas providências”.

Para saber exatamente o que ocorreu com o seu pai, Luana avisou que irá até a unidade médica que acabou por não atender um senhor visivelmente machucado. O pronto-socorro Lauro Ribas Braga, em Santana, na zona norte de São Paulo, foi o local em que Sebastião Fernandes Guimarães morreu – do lado de fora, sem atendimento.

Informações do SBT News