Cinco famílias que mantém as tradições culturais de parentes imigrantes

Alemães, japoneses, poloneses, ucranianos e italianos: conheça a história de cinco imigrantes que vieram para Curitiba com origens e hábitos completamente diferentes, mas com uma coisa em comum – suas tradições familiares são mantidas até hoje, como comidas típicas, danças folclóricas, religiões e idiomas.

1. Japoneses 

A família Hashimoto partiu rumo ao Brasil em 1929, por causa da guerra; o Japão estava pagando as famílias para virem ao país. Atualmente eles vivem em Curitiba e não deixaram a cultura de lado: a culinária japonesa continua presente, assim como a linguagem. Amanda Hashimoto, bisneta dos imigrantes, conta que sua família pratica o Rajio Taiso, uma rotina de alongamentos acompanhada com músicas que os operários japoneses faziam antes de iniciar o trabalho nas fábricas. Ela relata também que existem espaços onde os japoneses se reúnem para confraternizar e realizar práticas típicas do Japão, evento que se chama Kaikan. Tem apresentações de dança, karaokê e comida típica, como yakisoba. Participam sempre que podem!

Foto: Arquivo Pessoal

2. Italianos 

Durante o período pós-guerra, a Itália estava enfrentando um período de muita pobreza. Foi quando a família Iacomini, apesar da dificuldade, veio de navio para o Brasil em busca de uma nova vida, entre os anos de 1949 e 1953. A influência destes imigrantes ficou marcada no país pelos seus hábitos e tradições, mas principalmente pela culinária — costume que a família não deixou para trás. Davi Iacomini, bisneto dos italianos, conta que além das comidas típicas do país, seu pai e seu irmão estão começando a aprender um pouco do idioma. Sempre é bom voltar às origens, né? 

3. Ucranianos 

A bisavó de Natalia Dubezkyj veio para o Brasil quando o país estava recrutando mão de obra para trabalho e o seu bisavô veio em 1950, no pós-guerra. Quando seus avós, Erhard e Maria Dubezkyj contam a história da família, relembram que foram muito bem acolhidos aqui. Manter a cultura viva é importante para eles, que passaram os costumes para as suas netas criando uma “nova Ucrânia” em Curitiba, como dizem. E não foi diferente: a família Dubezkyj participa da igreja com ritual católico ucraniano, a irmã da Natália faz parte do grupo de dança folclórica junto com ela e eles também celebram a ‘recente’ independência da Ucrânia. É realizada a bênção dos alimentos na Páscoa no memorial ucraniano do parque Tingui, e eles sempre marcam presença. As tradições permanecem presentes na família, que se mantém unida no momento delicado em que o país está enfrentando. 

Foto: Arquivo Pessoal

4. Alemães 

Originalmente, a família Matschulat é da região da Prússia Oriental – que pertencia à Alemanha até o fim da 2ª Guerra Mundial. Leonardo Matschulat conta que seu trisavô serviu como militar em Berlim e em 1893, foi chamado por um grupo de cristãos batistas para fundar uma igreja no Rio Grande do Sul, na cidade de Vale do Sol. Foi então fundada a Igreja Batista de Linha Formosa, a primeira igreja batista alemã do Brasil. Seus pais vieram para Curitiba e a família segue a religião cristã evangélica até hoje. Durante certa época foi proibido falar alemão no país por causa da guerra, então o idioma não foi passado adiante para eles. Mas Leonardo não quis deixar a cultura para trás: aprendeu a língua alemã para voltar à tradição da sua família! 

5. Poloneses 

Os banqueiros dominavam a economia da Polônia, e juntamente com uma perseguição política e econômica muito forte, o bisavô de Francisco Célio Przybeuka veio de navio para o Brasil, que estava doando terras para agricultores iguais a ele, antes da primeira guerra, em 1871. Décadas se passaram, e os hábitos poloneses continuaram na família Przybeuka: moram em Araucária, região com grande colônia de imigrantes poloneses, e frequentam a igreja católica — tendo a religião como principal base para as tradições culturais. Além disso, apresentam músicas e danças folclóricas, como por exemplo, a polka, uma dança polonesa. Sabem a língua e a culinária da Polônia, permanecem com a prática da agricultura, e acontece também a famosa celebração que dura sete dias, o casamento polonês.