Começa a montagem da tubulação para a dragagem de recuperação da orla de Matinhos

A preparação do canteiro de obras para a recuperação da orla de Matinhos, no Litoral do Estado, entrou em uma nova fase nesta terça-feira (12). Começou a montagem da tubulação que será utilizada para a dragagem da recuperação da orla. Serão implantados 200 tubos de aço. O início dos trabalhos exigiu a interdição de um trecho de aproximadamente 500 metros de extensão da praia do Balneário Flórida e da pista da Av. Beira-Mar. As obras são executadas pelo Consórcio Sambaqui, vencedor da licitação. O projeto é do Governo do Estado, sob responsabilidade do Instituto Água e Terra (IAT).

“Era isso que estávamos precisando, revitalizar tudo isso”, afirma a moradora de Matinhos, Marisa Tieppo Rodolfi. A aposentada frequenta a região como veranista há mais de três décadas e se mudou para o Litoral junto com o marido durante a pandemia do Covid-19. “Durante 30 anos eu vinha em dezembro e ficava até o Carnaval. Vi a praia desaparecer. O mar está tomando conta da areia e destruindo o asfalto e as casas. Pra mim, a obra não é incômodo nenhum, é uma diversão vir aqui e ver o que está acontecendo”, afirma.

A intervenção será feita ao longo de 6,3 quilômetros na cidade de Matinhos, alargando a faixa de areia em até 100 metros. A engorda é uma das ações previstas nas obras de Recuperação da Orla de Matinhos, que terá investimentos de R$ 314,9 milhões para revitalização desde o Morro do Boi até o Balneário Flórida, local onde está instalado o canteiro de obras.

Em uma segunda etapa, será revitalizado um trecho de 1,7 quilômetro, até o Balneário Saint Etienne. “É evidente que os benefícios diretos dessa obra se darão para a população de Matinhos, com a geração de empregos e com a nova infraestrutura, mas é uma obra que vai agregar benefícios para todo o Litoral do Estado”, destacou o secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest), Everton Souza.

Um trecho de três quilômetros da praia e da Avenida Beira Mar ficará interditado pelo período estimado em 40 dias para que os tubos de aço sejam preparados para receber a dragagem, prevista para o mês de julho. A interdição será gradativa, conforme montagem da tubulação. “Estamos colocando na areia os materiais que serão utilizados para viabilizar a obra. Ao final, teremos um Litoral com mais infraestrutura, paisagismo, ciclovia, calçadas e ruas adequadas, e uma faixa de areia melhor. Hoje, a erosão causada pela maré tem sido motivo de tristeza para os moradores e veranistas”, completou o secretário.

O local interditado foi sinalizado pelo Consórcio Sambaqui. “Estamos colocando os tubos na praia para serem soldados. Eles formarão uma longa tubulação de cerca de 3 quilômetros para ser colocada ao mar e dar início ao processo de dragagem. É um equipamento de grande porte que transporta a tubulação, cujo peso é de cerca de 16 toneladas. Então essa interdição precisa ser feita para evitar acidentes”, explicou o gerente de projetos do Consórcio Sambaqui, Elvio Torres.

“Precisamos ter a tranquilidade para trabalhar e não haver ocorrência de acidentes. Teremos escavadeiras na praia e a soldagem dos tubos é um processo que apresenta riscos com a produção de faísca. Pedimos a paciência da população que vem ao Litoral, especialmente nos próximos feriados, para termos no futuro uma praia recuperada”, reforçou o diretor de Saneamento Ambiental e Recursos Hídricos do IAT, José Luiz Scroccaro.

As obras preveem, além da engorda da faixa de areia por meio de aterro hidráulico, estruturas marítimas semirrígidas, canais de macrodrenagem e redes de microdrenagem, e revitalização urbanística da orla marítima com o plantio de árvores nativas. Também serão realizadas melhorias na pavimentação asfáltica e a recuperação de vias.

O objetivo é minimizar os impactos gerados pela combinação do desequilíbrio de sedimentos, ocupações mal planejadas e ressacas no Litoral. Essa combinação vem destruindo e comprometendo boa parte da infraestrutura urbana, turística e de lazer no município. “Parado desde 2010, este projeto só teve avanços em 2019. Fizemos várias complementações, especialmente nas questões de fauna e flora e hoje estamos seguros dos benefícios dessa obra”, destacou o diretor-presidente do IAT, José Volnei Bisognin.

Para o prefeito de Matinhos, Zé da Ecler, as obras representam o olhar do Estado voltado ao Litoral. “O Paraná está no caminho certo e o Litoral está sendo valorizado. Vimos uma praia bela sendo deteriorada e agora, junto com o desenvolvimento, virá o turismo, com mais valorização das riquezas da região, entre outras conquistas”, disse.

Informações da AEN