Consumo nos lares brasileiros cresce 2% de janeiro a maio, diz Abras

O Consumo nos Lares brasileiros, indicador medido mensalmente pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras), apontou crescimento acumulado de 2,02% no período de janeiro a maio deste ano. Índice que, na interpretação da associação, consolida tendência de alta para as compras das famílias e alinha-se às previsões do setor para o desempenho da economia no ano, que hoje a Abras calcula que feche 2022 crescendo 2,80%.  

A comparação com maio do ano passado traz elevação de 0,39%, já descontada a inflação apurada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), referência para as altas do custo de vida no país. Em relação a abril de 2022, o consumo foi 3,47% menor. A explicação reside na maior procura dos consumidores por produtos durante o mês da Páscoa e, consequentemente, uma redução substancial no mês seguinte, já sem ocorrência de efeitos sazonais. Em linha com este movimento, a inflação também pressionou preços dos alimentos e induziu uma redução nas compras da população. 

Cesta Abrasmercado  

Maio cravou ainda a menor alta mensal do ano para a cesta de 35 produtos de grande procura pelos brasileiros monitorada pelos varejistas: 0,94%. Entram no pacote alimentos, carnes, bebidas, produtos de limpeza e de higiene e beleza, entre outros. Com a subida de maio a cesta passa a custar, em média, R$ 765,82. No ano, a alta concentrada do valor da cesta chega a 9,32% e em 12 meses avança para 17,20%. 

Entre os itens que mais subiram no ano estão o feijão (+28,46%), leite longa vida (+28,04%) e óleo de soja (+22,57%). O corte dianteiro da carne bovina ficou 4,87% mais caro. E na prateleira de higiene e beleza, quem mais subiu foi o sabonete (+12,64%). O sabão em pó disparou (+10,62%) entre os produtos de limpeza. 

Os supermercadistas apostam numa inflação menor no próximo mês. “A expectativa é de que a redução do ICMS sobre os combustíveis, que impacta o frete, a queda do desemprego, os novos recursos que devem ser injetados na economia decorrentes da PEC dos Benefícios contribuam com o consumo nos lares”, indica o Marcio Milan, vice-presidente institucional da Abras. 

Informações de SBT News