Coquetel de anticorpos da Astra não evita sintomas de Covid-19 em teste

Por Vishwadha Chander e Ludwig Burger

(Reuters) – A AstraZeneca comunicou nesta terça-feira que um teste de estágio avançado não conseguiu fornecer provas de que sua terapia de anticorpos protegeu as pessoas que tiveram contato com uma pessoa infectada com a doença, um pequeno contratempo em seus esforços para encontrar alternativas a vacinas.

O estudo avaliou se a terapia, um coquetel com dois tipos de anticorpos, poderia impedir que adultos expostos ao vírus nos oito dias anteriores desenvolvessem sintomas de Covid-19.

A terapia AZD7442 foi 33% eficaz na redução do risco de as pessoas desenvolverem sintomas na comparação com um placebo, mas o resultado não é estatisticamente relevante –o que significa que pode ter se devido a um acaso, e não à terapia.

O estudo de estágio avançado, que não foi avaliado pela comunidade científica, incluiu 1.121 participantes do Reino Unido e dos Estados Unidos. A grande maioria, mas não todos, não tinha o vírus no início do teste.

Os resultados de um subconjunto de participantes que não estavam infectados foi mais animador, mas a análise principal disse respeito aos resultados de todos os participantes.

“Embora este teste não tenha alcançado o resultado clínico principal contra doença sintomáticas, ficamos otimistas com a proteção vista nos participantes de PCR negativo após o tratamento com AZD7442”, disse Mene Pangalos, vice-presidente-executivo da AstraZeneca, em um comunicado.

A empresa está contando com estudos adicionais para reavaliar o destino do produto. Cinco outros testes estão em andamento para estudar o coquetel de anticorpos como tratamento ou na prevenção.