Em Curitiba, aglomerações e festas clandestinas geram R$ 711 mil em multas

Entre os dias 10 e 14 de fevereiro, as equipes da Ação Integrada de Fiscalização Urbana (Aifu-Covid) fizeram trabalhos de fiscalização, que geraram a aplicação de R$ 711.550 em autos de infração, pelo descumprimento da lei municipal 15.799/2021, que estabelece sanções a pessoas e empresas que não seguirem as medidas restritivas contra a covid-19.

Foram 49 estabelecimentos, em diferentes bairros, fiscalizados pelas equipes. Destes, 23 tiveram a atividade paralisada e 47 autos de infração foram lavrados.

Entre os locais interditados, cinco foram notificações por comércio irregular. No bairro Lamenha Pequena, uma casa de eventos promovia uma festa clandestina com aproximadamente 500 pessoas. Além da interdição do local, foram lavrados quatro autos de infração, por estar sendo realizada atividade de bar, pela permissão do consumo de narguilé, pela falta de controle no número de pessoas e pela promoção do evento. Todos os itens somaram R$ 120 mil em multas.

As Aifus são realizadas em parceria com o Governo do Estado, previstas no Decreto nº 1710/2020, 180/2021 e na Resolução 1/2020. Fazem parte da equipe: fiscais das secretarias municipais do Urbanismo e do Meio Ambiente, guardas municipais, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e agentes da Superintendência de Trânsito (Setran) da Secretaria Municipal de Defesa Social e Trânsito. As equipes da Vigilância Sanitária também realizam inspeções.

Aglomerações

No sábado, (13) e no domingo, (14) a Guarda Municipal e a Polícia Militar dispersaram aglomerações em diversos pontos da cidade.

Rondas das equipes e imagens do circuito de videomonitoramento, mostraram situações recorrentes: pelo menos 300 pessoas aglomeradas no Largo da Ordem, 500 nas proximidades do Shopping Hauer e 400 ao redor de estabelecimentos próximos à linha do trem, na Rua Itupava.

“Pela grande quantidade de pessoas, em cada um desses locais, precisou ser feita uma ação de dispersão, mesmo com resistência inicial de parte dos indivíduos”, conta o coordenador do Centro de Operações da Guarda Municipal, inspetor Gilberto Ramos de Oliveira.

“Reforçamos a orientação quanto ao uso de máscaras e, aos proprietários e gerentes dos estabelecimentos comerciais sobre a possibilidade de aplicação de multa posterior, em caso de desobediência à legislação municipal vigente”, pontua ele.

Distanciamento social e uso de máscara de proteção, cobrindo nariz e boca são medidas essenciais para o controle da disseminação do coronavírus.

Toque de recolher

Com a bandeira amarela vigente na cidade, continua proibido o funcionamento de bares e casas noturnas. Também está proibida a circulação de pessoas das 23h às 5h, em espaços e vias públicas, exceto as atividades ou serviços essenciais.

O decreto municipal prevê a proibição da comercialização e do consumo de bebidas alcoólicas, em espaços de uso público ou coletivo, das 23h às 5h. A vedação também é válida para os estabelecimentos comerciais, serviços de conveniência em postos de combustíveis, clubes sociais e desportivos e áreas comuns de condomínios.

Colaboração Prefeitura de Curitiba