Estados do Sul se unem para conter pandemia do coronavírus

Os três estados do Sul do Brasil: Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, se uniram para que, em conjunto, possam buscar saídas mais eficientes para conter a expansão da crise sanitária, causada pela pandemia do coronavírus. A formalização do consórcio de saúde envolvendo os três estados foi oficializada nesta quarta-feira (17), em reunião na Casa D’Agronômica, uma das sedes do governo catarinense, em Florianópolis.

O anúncio foi feito pelos governadores do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior, de Santa Catarina, Carlos Moisés, e do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite. Também estavam presentes os secretários de Saúde de cada estado. O novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e o antigo, Eduardo Pazuello, participaram do início da reunião.

A primeira medida tomada pelo grupo foi a criação de um mecanismo de solidariedade entre os estados, voltado para a compra de equipamentos, medicamentos e insumos. Também foi adotada a possibilidade de compartilhamento desses materiais, conforme a necessidade de cada local.

A mesma estratégia vai valer para a criação de uma central única de leitos, tanto de Unidades de Terapia Intensiva quanto clínicos, como forma de facilitar a internação dos contaminados.

“É uma união pela saúde da Região Sul e do Brasil. Para que aquele Estado que conseguir sair antes da crise, que se encontrar em uma situação melhor, posso ajudar os outros. É uma forma de amenizar o sofrimento da população neste grave momento da pandemia no País”, afirmou Ratinho Junior.

Ele explicou que com a consolidação do consórcio será mais fácil também colaborar com outras unidades da Federação.

“Liguei para o governador do Amazonas, Wilson Lima, nesta quarta-feira, e ele ficou de nos enviar cilindros para armazenamento de oxigênio. Sabemos das necessidades de cada estado, mas é esse tipo de colaboração que queremos tornar mais intensa a partir do consórcio”, destacou Ratinho Junior.

Outro ponto é a união de esforços por meio da criação de um fundo único para prospecção e possível compra de vacinas de diferentes laboratórios do mundo. “Vamos programar uma reunião dos três governadores com os presidentes de diferentes farmacêuticas em uma tentativa de aquisição de vacinas”, afirmou o governador do Paraná.

Ratinho Junior explicou que todos os imunizantes adquiridos pelo consórcio do Sul serão encaminhados ao Ministério da Saúde, para dar mais agilidade ao Programa Nacional de Imunizações (PNI). Ou seja, serão usadas na proteção de todo o Brasil, e não apenas na população dos três estados.

Colaboração AEN