Fiocruz confirma circulação de variantes do coronavírus no Paraná

Ontem (04), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou que no Paraná e em várias regiões do Brasil, as variantes do novo coronavírus estão circulando. No Estado, segundo o estudo, 70,4% das 216 amostras de RT-PCR com grande carga viral, enviadas para a instituição, estão relacionadas à variante P.1, identificada no Amazonas.

O novo protocolo, desenvolvido pela Fiocruz Amazônia, foi utilizado nas unidades de apoio ao diagnóstico para avaliação de cerca de mil amostras nos estados de Alagoas, Ceará, Minas Gerais, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Dos oito estados avaliados neste recorte, apenas dois não tiveram prevalência da mutação superior a 50%: caso de Minas Gerais, com 30,3% das amostras testadas como positivo, e Alagoas, com 42,6%. Nos demais estados, mais de 50% das amostras apresentaram a mutação, com tendência de circulação alta no Sul: 62,5% no Rio Grande do Sul e 63,7% em Santa Catarina, além dos 70,4% do Paraná.

O protocolo detecta a mutação comum em três das variantes: P1, identificada inicialmente no Amazonas; B.1.1.7, no Reino Unido; e B.1.351, na África do Sul. Segundo o estudo, no entanto, há indicativos de que a prevalência que está sendo observada nos estados esteja associada à P.1, uma vez que as outras duas variantes não têm sido detectadas de forma expressiva no Brasil.

O estudo foi elaborado pelo Observatório Covid-19 Fiocruz. De acordo com o relatório, a alta circulação de pessoas e o aumento da propagação do vírus têm favorecido o surgimento dessas “variantes de preocupação”. O comunicado alerta para um cenário preocupante de transmissibilidade em todo o território brasileiro nos próximos meses.

Segundo a Fiocruz, até o momento, não foi observada a associação dessas variantes com evolução clínica mais grave.

Colaboração AEN