Índice de isolamento social chegou a 53% no Paraná

No domingo (28), parte do primeiro final semana com a vigência do Decreto 6.983/2021, o índice de isolamento social chegou a 53% no Paraná. O número foi 10,2 pontos percentuais maior em comparação ao domingo anterior (21).

Segundo o monitoramento da empresa In Loco, que utiliza dados anônimos de localização de telefones celulares, esse índice é o maior do Estado desde 24 de janeiro. Foi o segundo maior da Região Sul, ficando atrás de Santa Catarina (55,4%). No Brasil, foi o quarto maior, além de ficar acima da média nacional de 46,6%.

Entretanto, é necessário levar em consideração que o índice foi alcançado em um final de semana chuvoso em boa parte do Paraná e, além disso, ainda está longe dos percentuais alcançados entre março e abril do ano passado. No dia 22 de março de 2020, também um domingo, o índice foi de 65,6%, e, no dia 29 de março, de 62,7%. Entre agosto e dezembro do ano passado o número ficou abaixo de 50%, mesmo nos finais de semana.

Na sexta-feira passada, data do anúncio das medidas, o índice era de 28,4% no Estado, o menor desde o começo da pandemia. Na ocasião, o número nacional era de 31,1%.

Adesão municipal

Segundo a Associação dos Municípios do Paraná (AMP), apenas nove prefeituras não adotaram as restrições impostas pelo Governo do Estado e uma internalizou a legislação apenas parcialmente, o que significa 97,4% de adesão completa nos 399 municípios.

“Parte da população cobra as autoridades sobre uma posição entre a vida e a economia. Sempre nos pautamos pelo equilíbrio, mas nesse momento há um desequilíbrio na saúde, os números são claros. São medidas mais duras e os prefeitos entenderam. Nunca tivemos uma adesão tão grande porque todos viram que o momento é muito crítico”, disse Darlan Scalco, prefeito de Pérola e presidente da AMP. “Estamos fazendo aquilo que é certo, mesmo que isso doa. Esperamos que haja um resultado efetivo”.

Decreto

O Decreto do Governo do Paraná prevê, entre outras ações, a suspensão do funcionamento dos serviços e atividades considerados não essenciais em todo o Estado e a ampliação na restrição de circulação das pessoas, das 20 horas às 5 horas. Também estão proibidas a comercialização e o consumo de bebidas alcoólicas em espaços de uso público ou coletivo nesse intervalo da noite e da madrugada.

Colaboração AEN