Paraná faz parte de comitê nacional para enfrentamento da pandemia do coronavírus

Nesta quarta-feira (24) o Governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior, participou, em Brasília, da reunião com os chefes dos Três Poderes para a criação de um comitê nacional de enfrentamento à pandemia do coronavírus. O encontro foi convocado por Jair Bolsonaro e teve a presença dos presidentes do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, do Senado Federal, Rodrigo Pacheco, e da Câmara dos Deputados, Arthur Lira.

O comitê deverá se reunir semanalmente para coordenar as ações, decidir e redirecionar o rumo de combate ao coronavírus. A articulação com os estados será feita pelo presidente do Senado. O foco primordial da comissão, neste primeiro momento, é ajudar estados e municípios a ampliarem a vacinação da população, além de contribuir com a ampliação de leitos hospitalares e aquisição de insumos, como oxigênio e medicamentos.

Governadores de sete estados acompanharam a reunião: Paraná, Goiás, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Alagoas, Amazonas e Rondônia, além do vice-presidente Hamilton Mourão, do procurador-geral da República, Augusto Aras, e ministros e titulares de outras instituições.

“Uma série de estratégias importantes foram discutidas para enfrentar esse novo momento da pandemia, com as novas cepas que são muito mais letais, agressivas e assolam boa parte do Brasil, e o Sul infelizmente está no pico da doença neste momento. Foi uma boa reunião e esperamos que agora, com essa nova organização, o governo federal e os demais Poderes possam tomar decisões mais rapidamente”, disse Ratinho Junior.

“A prioridade apresentada pelos governadores é principalmente a vacina. Queremos um cronograma para que possamos vacinar, de domingo a domingo, o máximo de pessoas possível e imunizar a população rapidamente”, explicou o governador. “Também pleiteamos novos leitos de UTIs. Apesar de estarmos ampliando muitos leitos de enfermaria e UTI, também é importante a ajuda do Ministério da Saúde”.

Poderes

Por questões constitucionais, o STF não poderá fazer parte do comitê, mas o ministro Luiz Fux garantiu que a Corte vai adotar uma estratégia para evitar a judicialização de questões relacionadas à pandemia que podem atrasar a tomada de decisões.

Já os chefes do Legislativo destacaram que este momento mais crítico da saúde pública no Brasil exige a responsabilidade e união dos Poderes para a tomada de medidas urgentes para conter a pandemia.

Colaboração AEN