Curitiba aplica 19 mil doses em Dia D de Vacinação

Os curitibanos enfrentaram as baixas temperaturas desse sábado (11) para atender ao chamado para o Dia D de Vacinação e colocar a carteirinha de saúde em dia. Na Unidade de Saúde Mãe Curitibana, na Avenida Jaime Reis, no Alto São Francisco, as pessoas fizeram filas para tomar o imunizante contra a Covid-19 e se prevenir contra várias outras doenças.

Além do imunizante contra a Covid-19, foram colocadas à disposição do público todas as vacinas oferecidas na rede municipal: BCG, hepatite B, pentavalente, VIP/ VOP (pólio), rotavírus, meningo C, febre amarela, tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola), tetraviral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela), varicela, hepatite A, dupla adulto, HPV, dTpa adulto, pneumo 10, pneumo 23, meningo ACWY e DTP (tríplice bacteriana). 

Foram aplicadas 19.072 doses de todas as vacinas. A Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba (SMCS), colocou em funcionamento dez unidades de saúde, uma em cada regional administrativa da cidade. O mutirão começou às 9h e se estendeu até o final da tarde. As doses vão continuar à disposição da população nos próximos dias. Para saber quais unidades ofertam o tipo desejado de vacina, acesse o site Imuniza Já.

A ação acontece em conjunto com o governo estadual e na esteira do lançamento da campanha de vacinação infantil de Curitiba “Quem ama, vacina”, lançada nesta terça-feira (7).


 “Nós estamos orientando as pessoas para que consultem o aplicativo para celular Saúde Já. Na aba da carteira de vacinação constam todas as vacinas que estão pendentes. Colocar a vacinação em dia previne doenças e diminui a pressão sobre o sistema de saúde”, explicou a secretária de Saúde, Beatriz Batistella, que percorreu os centros de vacinação ao longo do dia.


Baixa vacinal

O secretário de Estado de Saúde, César Neves, ficou animado com a resposta do público ao chamamento para imunização.
“O estado se mobilizou neste sábado num esforço conjunto pela vacinação. Eu fui a Piraquara pela manhã e encontrei lá uma fila de pessoas que atenderam o chamado e foram se vacinar. Isso é muito animador e mostra que a população entendeu a importância de se imunizar e se manter saudável”, comemorou.

Para o secretário, é preciso conscientizar ainda mais a população para dar a devida atenção às vacinas. “Isso é muito importante porque estamos enfrentando uma baixa vacinal coletiva. O Paraná historicamente sempre atingiu média vacinal acima de 90%. No ano passado, muito em parte pela pandemia, nós chegamos a 69% e ainda assim ficamos bem acima da média registrada em todo o país que chegou a apenas 46%”.

Para se ter uma ideia dos efeitos que isso causa, César Neves citou o perigo do retorno de doenças que haviam sido erradicadas no país.  “Nós temos que ampliar este índice de vacinação porque existe um risco muito grande de vermos o retorno de doenças que foram eliminadas do nosso cotidiano, como foi o caso dos surtos de sarampo que ocorreram nos últimos dois anos e especialistas já alertam para o risco da volta pela poliomielite”, asseverou.

Exemplos a serem seguidos

O casal José Humberto e Maria Angélica de Andrade não perdeu tempo de se prevenir e foi tomar a quarta dose de Covid-19.

“Nós atravessamos toda a pandemia sem pegar Covid porque tomamos todas as doses da vacina e seguimos as orientações, como usar máscaras em todos os ambientes e higienizar frequentemente as mãos”, ensinou José Humberto.


O economista Hector Ferrada, 61 anos, que nasceu no Chile mas mora há 35 anos em Curitiba também foi tomar a quarta dose do imunizante contra Covid-19 e aproveitou para tomar a vicana contra gripe. “É muito melhor se prevenir e se manter saudável. Eu não contrai Covid porque, além de tomar as vacinas, sigo à risca as orientações e assim preservo a boa saúde”, explicou.

Informações da Prefeitura de Curitiba