Dia dos namorados: especialista explica como economizar na hora de comprar o presente do parceiro ou da parceira

Desde 1948, todo dia 12 de junho é comemorado o Dia dos Namorados no Brasil. A data foi criada por um publicitário que queria alavancar as vendas de uma loja de roupas nesse período do ano, já que era uma época fraca em termos de faturamento. O dia 12 de junho foi escolhido propositalmente, já que é um dia antes da celebração de Santo Antônio, que ficou conhecido como o santo casamenteiro do país. A data é celebrada de diferentes formas, desde um jantar romântico em um restaurante conhecido ou até mesmo com um presente especial.

Porém, como essas celebrações envolvem custos, muitas vezes algumas pessoas ficam com receio de não conseguirem surpreender o parceiro ou a parceira, principalmente aquelas que estão com problemas financeiros. De acordo com a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência (Peic), da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o percentual de endividados chegou a 77,7% em abril deste ano, o maior nível desde que a pesquisa começou, em janeiro de 2010. Sendo assim, muitos brasileiros acabam buscando diferentes formas de comemorar o Dia dos Namorados sem precisar gastar muito.

“Um dos piores erros que as pessoas costumam cometer é deixar para comprar o presente justamente na véspera da data, onde os lojistas e as marcas costumam subir os preços justamente por terem noção de que vai aumentar o movimento nesse período”, explica o educador financeiro Tiago Cespe, criador da Cespe Educação Financeira. Para evitar pagar um valor exorbitante, a dica é sempre pesquisar bastante em diferentes lojas umas três semanas antes do dia.

Se a pessoa acabar esquecendo e só lembrar próximo da data, pesquisar em lojas online acaba sendo mais fácil, mas a vantagem de comprar em loja física é que a pessoa não paga frete e pode ainda negociar o preço. “Quando você compra algo no cartão, uma parte do dinheiro é para pagar uma taxa que é cobrada do estabelecimento, então uma opção é pesquisar o preço do produto no e-commerce antes para ter uma ideia do valor e ir até a loja física com dinheiro, e negociar com o lojista se tem desconto pagando à vista e no dinheiro”, ressalta Cespe.

Pagar o presente do amado ou da amada com cartão de crédito deve ficar fora dos planos, principalmente no caso de pessoas endividadas ou com problemas financeiros, já que com o cartão de crédito a pessoa está apenas postergando uma conta que pode gerar consequências desagradáveis no futuro. “Colocar um limite de quanto é possível gastar na compra de um produto ou então com uma atividade ou passeio é importante para conseguir aproveitar o dia sem ficar pensando na conta que a pessoa terá de pagar posteriormente”, diz o educador financeiro.

É importante lembrar que no final de semana em que é comemorado o Dia dos Namorados os restaurantes costumam ficar com filas enormes e o tempo de espera pode ultrapassar mais de uma hora. Sendo assim, pensar em outras alternativas de lazer como um picnic em um parque ao ar livre ou um jantar em casa com velas e um prato mais elaborado, podem ser opções mais vantajosas e muito mais agradáveis.

“Não é necessário ostentar ou comprar um presente por um valor exorbitante, é possível surpreender o parceiro ou a parceira de forma simples, como, por exemplo, montando uma cesta de café da manhã com os doces preferidos dele ou dela, ir ao cinema para assistir um filme que ambos estavam querendo, enfim, o importante é usar a imaginação e mostrar que a pessoa é especial”, pontua Cespe.

A criatividade conta muito na hora de presentear a pessoa amada, então um presente feito pela própria pessoa também é uma dica para não deixar o dia dos namorados passar em branco. Existem centenas de tutoriais na internet que ensinam como criar diferentes objetos e produtos ou até mesmo como preparar uma surpresa com base em vídeos virais de casais nas redes sociais.

“Muitas vezes uma carta de próprio punho pode causar muito mais impacto do que um presente caro, então o que vale no final é mostrar que o amor está acima de qualquer coisa, inclusive dos problemas financeiros”, finaliza o educador financeiro.