Diretora do CDC dos EUA diz que casos de Covid-19 provavelmente ainda não chegaram ao pico

WASHINGTON (Reuters) – A alta de casos de Covid-19 impulsionada pela variante Ômicron do coronavírus nos Estados Unidos ainda não chegou ao seu auge, afirmou a diretora do Centro de Controle e Prevenção de Doenças do país nesta sexta-feira, enquanto escolas, hospitais e empresas apresentam dificuldades com a alta de casos.

“Eu não acredito que vimos ainda o pico de casos aqui nos Estados Unidos”, afirmou a diretora do CDC, Rochelle Walensky, ao programa “Today”, do canal NBC News.

Autoridades de Saúde pediram que os norte-americanos não sejam complacentes diante da variante altamente transmissível, apontando que, mesmo que ela possa induzir quadros mais leves da doença, o fato de que ela é mais contagiosa significa um volume maior de casos, inclusive de quadros mais graves.

Os Estados Unidos reportaram 662 mil novos casos de Covid-19 na quinta-feira, o quarto maior número diário total dos EUA registrado e apenas três dias depois do recorde de quase um milhão de casos reportados, de acordo com uma contagem da Reuters.

A média semanal de novos casos bateu recorde pelo décimo dia seguido com 597 mil novas infecções, enquanto as hospitalizações por Covid chegaram a quase 123 mil e agora se aproximam do recorde de mais de 132 mil estabelecido no ano passado, mostram os dados.

As mortes, um indicador que está atrás do número de hospitalizações, continua razoavelmente estável, com 1.400 por dia, de acordo com os dados.

“Ainda estamos vendo esses números crescendo”, disse Walensky, apontando que, enquanto os casos crescem mais rápido que as hospitalizações e mortes, as hospitalizações estão principalmente entre os não vacinados.