Liberação de Crédito Rural aumenta e reflete no PIB do Brasil

O agronegócio é uma parte importante do PIB brasileiro e, ao contrário de outros setores, teve crescimento durante a pandemia. Em 2021, o rendimento agrícola representava 26% do PIB do país, um número significativo já que sozinho o agro compõe mais de ¼ da riqueza nacional. Enquanto isso, os ¾ restantes são formados por outras quatro atividades: setor industrial, comercial, parcerias comerciais e, por fim, o setor de importação e exportação.

O Crédito Rural é regulamentado pela Lei nº 4829/1965, desde então bancos e cooperativas de crédito oferecem empréstimos personalizados para fins agrícolas, alguns programas e planos foram surgindo posteriormente e melhorando ainda mais as condições ao financiar a safra do ano. As vantagens vão desde taxas reduzidas até modalidades pensadas para se adequar às finalidades e necessidades do agricultor. As ofertas atendem do pequeno produtor aos grandes latifundiários e as concessões acontecem em tempo hábil para o início das safras.

Qual a relação entre Crédito Rural e PIB?

Desde sua criação, o Crédito Rural tem como principal objetivo alavancar a atividade agropecuária no Brasil e garantir o investimento na área. A cada liberação de crédito, as instituições financeiras injetam no setor grandes quantidades de recursos financeiros para custeio de equipamentos e insumos que melhoram os resultados da safra.

Consequentemente, o Setor Primário tende a gerar mais riquezas aumentando diretamente o PIB, mas isso reflete também de maneira indireta, já que os demais setores dependem da produção para suas atividades.

A principal matéria prima da indústria vem do agro, já o comércio gira em torno da produção agrícola bruta ou manipulada pela indústria. Da mesma forma, a exportação ocorre conforme os produtos colhidos ou industrializados em território nacional, enquanto a própria riqueza do país é considerada nos acordos comerciais com outros países. Não seria exagero dizer que as atividades extrativistas são a base da economia nacional.

O aumento na concessão de crédito

O Plano Safra anual é sempre lançado entre junho e julho de cada ano, justamente para coincidir com o período entre a colheita e o novo plantio. Em 2022, a procura pelo Crédito Rural foi maior que nos anos anteriores e por conta disso o Tesouro Nacional autorizou a liberação de mais R$ 6,54 bilhões para as linhas de crédito do Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar). Isso representa um aumento de 12% nos recursos financeiros.

A expectativa é que os pequenos agricultores não tenham dificuldade de custear suas lavouras e que isso reflita de maneira positiva no PIB brasileiro. É importante lembrar que o Crédito Rural, mesmo com todas as vantagens e benefícios, ainda é um financiamento e é alcançado pela incidência de juros. Portanto, antes de contratar algum dos programas, o agricultor deve considerar se vale a pena fazer empréstimo de acordo com suas expectativas e os riscos corridos.