Importância da brincadeira é tema de espetáculo virtual para escolas

Em “Brincar Brincar Brincar”, espetáculo encenado de forma virtual por Ligia Ferreira e Flávio Araújo, a brincadeira é homenageada e exaltada. A narrativa cênica será transmitida ao vivo em oito sessões para quatro escolas municipais de Curitiba até o dia 2 de julho.

A equipe contatou as unidades para agendamento das sessões e os links foram enviados para as responsáveis e divulgados para as famílias e estudantes. Serão contempladas as escolas Margarida Orso Dallagassa, São Miguel, Elevir Dionisio e Governador Leonel de Moura Brizola.

Crianças que não brincam mais

“Criamos esse trabalho para falar da importância de viver intensamente o período da infância. A brincadeira é a natureza da criança. Infelizmente, percebemos que ela pode estar perdendo espaço para outros elementos do mundo contemporâneo”, comenta a atriz.

O texto, de autoria de Ligia, se passa numa vizinhança muito tranquila, baseada em sua rua de infância, com personagens inspirados na vida dos dois artistas e em parentes seus. Lica, Kiko, Guiga, Luna e Nano são crianças acostumadas a brincar na rua e na floresta todos os dias. De repente surgem na vida de Guiga, Luna e Nano misteriosos elementos – t-ble-ta, g-ppin-sho e são-vi-le-te – que alteram a rotina da garotada. Os amigos Lica e Kiko entram então numa aventura para resgatar as outras crianças.

Durante a apresentação, Flávio Araújo utiliza instrumentos diversos para a sonoplastia, como reco-reco, piano, alfaia, cajón, blocos sonoros, campainha de bicicleta, calimba, dentre outros. “Os sons criam ambientes relacionados à história e sugerem sensações”, explica o músico. Ao longo da peça, a dupla ainda executa músicas compostas por Flávio que enriquecem a narrativa.

Oficina para educadoras

O projeto também vai promover uma oficina de criação e narração de histórias para educadoras da rede pública municipal entre 28 de junho e 05 de julho. Por meio de um jogo desenvolvido por Ligia para criação de histórias e de orientações para o processo de narração, as professoras serão estimuladas a criarem  suas próprias histórias e narrativas cênicas.