Festa Julina Árabe está de volta em Curitiba depois de dois anos

No próximo fim de semana, dias 2 e 3 de julho, a comunidade árabe que frequenta a Igreja Ortodoxa Antioquina de São Jorge volta a oferecer a Festa Julina. O festejo já faz parte do calendário tradicional de Curitiba, mas havia sido suspenso durante a pandemia de covid-19. Agora, retorna com a expectativa de superar a marca de 10 mil pessoas que passaram pela festa em 2019, ano da última comemoração antes da emergência sanitária. A comunidade da Igreja é formada por árabes de vários países. A maioria tem origem síria e libanesa, mas também há jordanianos, palestinos e pessoas com as mais diversas ascendências.

Na última semana, mais de 100 pessoas da comunidade já começaram os preparativos para receber os convidados. São mais de 200 kg de trigo para quibe, 400 kg de carne e outros 300 kg de frango para preparar as delícias árabes oferecidas na festa. “Vamos usar muitos temperos árabes para fazer todas essas comidas. Só para o shawarma de frango são usados mais de vinte temperos”, comentou Padre Saaman Nasri. Além de mais de cinco mil doces árabes, haverá também a venda de mais 60 kg de bolo de São Jorge.

O evento é comandado pelo conselho da Igreja, formado por 15 diretores e presidido por Nizar Noumeh. Participam da organização quatro conselheiros, quatro mulheres do grupo de senhoras da Igreja voluntárias, quatro pessoas do grupo de jovens.

O grupo de voluntários encaminha os preparativos para deixar tudo pronto para finalizar os sanduiches, os doces e toda comida oferecida no dia. Agora, são cortadas cebolas, tomates, triturado o grão de bico para o falafel e feita toda montagem das barracas e toda decoração da festa.

O evento já faz parte da rotina da comunidade árabe e reproduz uma convivência em harmonia entre brasileiros e árabes de diferentes religiões. Segundo o Padre, mesmo entre os árabes há diferenças, mas todo mundo se respeita. E a festa mostra isso. “Nós somos cristãos, mas recebemos de braços abertos nossos irmãos de outras religiões”, comentou ele.

Antes do começo da festa no domingo, 10h30, há uma missa em que o Padre explica em português toda arquitetura da Igreja Ortodoxa Antioquina São Jorge. Parte da liturgia é realizada em árabe.

A construção é uma das principais representações da arquitetura bizantina em Curitiba. Em 1954, foi construída uma casa de madeira para receber as missas, logo após o terreno ser adquirido pela comunidade. Ainda naquele ano, começou a construção da igreja atual, que seria concluída apenas seis anos depois.

“Hoje estamos todos bem aqui e adaptados à nova rotina, com amigos e família por perto. A festa é uma forma de mostrar para todos que a convivência em paz é fundamental e pode ser alcançada, como todo ano fazemos aqui”, afirmou Nasri.

Quantidades de insumos das principais delícias árabes que serão preparadas:

  • 300 kg de frango para shawarma;
  • 200 kg de trigo para quibe;
  • 400 kg de carne para quibe;
  • 200 kg de grão de bico para bolinho de falafel e sanduíche de falafel;
  • 300 kg de tomate;
  • 150 kg de pepino;
  • 40 kg de tahine;
  • 60 litros de leite para coalhada;
  • 500 pacotes de pães com doze unidades;
  • 220 litros de óleo;
  • 60 kg de manteiga.