Funcionárias do setor da saúde recebem 24% a menos que homens

Funcionárias do setor de saúde e cuidados enfrentam uma diferença salarial de gênero maior do que em outros setores econômicos, ganhando, em média, 24% a menos do que os homens. Os dados, apresentados pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) e Organização Mundial da Saúde (OMS), apontam que, mesmo com a maior demanda devido à pandemia de covid-19, houve apenas melhorias na igualdade salarial entre 2019 e 2020.

Segundo o relatório, “grande parte da diferença salarial é inexplicável, talvez devido à discriminação contra as mulheres” – que representam 67% dos trabalhadores de saúde e cuidados em todo o mundo. Nos países, as lacunas salariais de gênero tendem a ser mais amplas nas categorias salariais mais altas, onde os homens são super-representados. As mulheres, por sua vez, são mais representadas nas categorias de menor remuneração.

As mães que trabalham no setor parecem sofrer penalidades adicionais. Durante os anos reprodutivos da mulher, as lacunas salariais de emprego e gênero aumentam significativamente, sendo persistentes durante o resto da vida profissional da mulher. Diferenças de idade, escolaridade, tempo de trabalho e participação de homens e mulheres nos setores também impulsionam as lacunas salariais.

“As mulheres compõem a maioria dos trabalhadores do setor de saúde e cuidados, mas em muitos países vieses sistêmicos estão resultando em penalidades salariais perniciosas contra elas”, diz Jim Campbell, diretor de força de trabalho da OMS. “As histórias de sucesso em vários países mostram o caminho; incluindo aumentos salariais e compromisso político de pagar equidade”, acrescenta.

Informações de SBT News