Governo inicia as obras de macrodrenagem em Matinhos

Moradores e veranistas que passam pelo Litoral do Estado neste feriado já podem ver o início das obras de macrodrenagem no canal da Avenida Paraná, no bairro do Tabuleiro, em Caiobá. A macrodrenagem, em conjunto com as futuras obras de microdrenagem, vai minimizar os impactos causados pelas cheias.

Dos R$ 314,9 milhões das Obras de Recuperação da Orla de Matinhos, serão investidos R$ 8,3 milhões na macrodrenagem de 1,5 km do Canal da Avenida Paraná. Este processo deve durar cerca de 90 dias.

“A macrodrenagem é fundamental para aliviar o escoamento até o mar. O projeto de recuperação da Orla de Matinhos sempre teve essa preocupação social em melhorar o município como um todo”, afirma o secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest), Everton Souza.

SOLUÇÃO – Souza explica que o município de Matinhos é bastante plano, com três saídas principais para o mar: pelos canais do rio Matinhos, da Avenida Paraná e da Avenida JK. Neste último, parte da água deságua na prainha e outra no Rio Matinhos.

O canal da Avenida Paraná, localizado em Caiobá, vai ter a finalidade de aliviar as águas que vão para o rio Matinhos, minimizando as cheias e melhorando a vida de uma grande parcela de moradores do Litoral, no bairro Tabuleiro, um dos mais afetados pelas chuvas.

O projeto prevê deixar o canal da Avenida Paraná com sete metros de largura, em concreto formatado como um U (na base e nas laterais), aumentando a velocidade do escoamento e diminuindo o nível de alagamento”, detalha o  diretor de Saneamento e Recursos Hídricos, José Luiz Scroccaro.

VALORIZAÇÃO – Para a população e os veranistas, as obras que estão sendo realizadas representam um alívio no período de chuvas e devem valorizar o município.

Audrei Correia, morador de Matinhos há 35 anos, é técnico de limpeza de piscina e conta que está contente por as obras anunciadas estarem acontecendo. “Nós dependemos dos turistas e precisamos que a região seja valorizada para que venham cada vez mais pra cá. Moro aqui desde 1987 e a gente sempre quis essa melhoria”, diz.

Informações do AEN.