Governo pode taxar quem ganha mais de R$ 400 mil para bancar o Auxílio Brasil

O presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a dizer, nesta sexta-feira (2), que pretende taxar quem ganha acima de R$ 400 mil reais por mês para bancar o Auxílio Brasil.

O candidato à reeleição fez campanha no Rio Grande do Sul. Pela manhã, Jair Bolsonaro acompanhou o desfile dos animais campeões da Expointer. O candidato à reeleição pelo PL caminhou pela feira e cumprimentou apoiadores.

Bolsonaro criticou a decisão do Tribunal Superior Eleitoral de proibir o celular dentro da cabine de votação: “é mais um abuso do TSE, eles estão tomando várias medidas que prejudicam sempre o nosso lado, lamentavelmente o TSE tem agido dessa maneira”.

Depois da cerimônia, Jair Bolsonaro permaneceu no Parque de Exposições Assis Brasil, na região metropolitana de Porto Alegre. O candidato à reeleição almoçou com produtores rurais. Nesta semana, é o segundo encontro com representantes do agronegócio que o presidente tem durante agendas fora de Brasília. À noite, ele deve participar de um jantar.

Bolsonaro falou sobre as alternativas estudadas pela equipe econômica para manter o pagamento do Auxílio Brasil de seiscentos reais, caso seja reeleito. O orçamento do ano que vem prevê um valor de R$ 405.

“Temos uma alternativa aqui que o Paulo Guedes autorizou a falar porque ele é o comandante da nossa economia, de taxar o núcleo de dividendos de quem ganha acima de R$ 400 mil por mês”, afirmou.

O presidente disse, ainda, que pode prorrogar o estado de calamidade, que termina em dezembro, o que possibilitaria a manutenção do benefício no valor maior: “essa possibilidade existe desde que lá fora continue o problema Ucrânia x Rússia, espero que acabe isso”.

Bolsonaro segue no Rio Grande do Sul para gravar um programa eleitoral com mulheres evangélicas, neste sábado (3).

Informações de SBT News