Grávida e bebê morrem após explosão em maternidade na Ucrânia

Uma mulher grávida e seu bebê morreram após um bombardeio russo atingir um hospital infantil de Mariupol, no leste da Ucrânia, onde ela estava em trabalho de parto. Apesar de ter sido resgatada imediatamente pelas equipes de socorristas locais e levada a um outro hospital, a mulher não resistiu. 

Em entrevista à agência de notícias AP News, o cirurgião Timur Marin confirmou que a paciente foi atendida com a pélvis esmagada e o quadril descolado. A equipe precisou passar por uma cesariana, mas o bebê nasceu sem sinais vitais. Ele disse ainda que, ao perceber que estava perdendo o bebê, a mulher chegou a gritar: “Me matem agora”.

Depois do parto, Marin disse que tentou salvar a mãe, mas ela faleceu logo após a criança. “Mais de 30 minutos de reanimação da mãe não produziram resultados. Ambos morreram”, lamentou o médico. Segundo ele, a equipe não conseguiu pegar o nome inteiro da mulher devido à alta demanda de atendimentos após o bombardeio.

Em declaração divulgada na noite deste domingo (13), a Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu o cessar-fogo imediato de todos os ataques na Ucrânia para intensificar os cuidados médicos no país. Desde o início do conflito, por exemplo, mais de 4,3 mil nascimentos ocorreram e aproximadamente 80 mil mulheres devem dar à luz nos próximos três meses.

A entidade alerta para a escassez de oxigênio e suprimentos médicos, inclusive para o gerenciamento de complicações da gravidez. Além disso, dezenas de idosos e crianças estão sofrendo com ferimentos.

Informações de SBT News