Agência sanitária inglesa destaca propagação da varíola dos macacos

A varíola dos macacos parece estar se espalhando de pessoa para pessoa na Inglaterra, afirmou, nesta quarta-feira (1°), a Agência de Segurança de Saúde do Reino Unido (UKHSA, na sigla em inglês).

Entende-se que a doença viral, normalmente leve e endêmica nas regiões ocidental e central da África, se propaga pelo contato próximo. Até o início de maio, eram raros os casos que se estendiam para fora do continente africano ou que não tinham ligação direta com viagens até lá.

Este é o primeiro surto de varíola dos macacos em que o vírus se propaga de uma pessoa para outra na Inglaterra e onde ligações de viagem com um país endêmico não foram identificadas, informou a agência.

De acordo com a UKHSA, a maioria dos casos no Reino Unido (132) está em Londres, enquanto 111 casos foram identificados em homens gays, bissexuais ou que tenham relações sexuais com outros homens. Apenas dois casos são em mulheres.

Viagens recentes a outros países na Europa, dentro de 21 dias a partir do início dos sintomas, foram relatadas em 34 dos casos confirmados, ou cerca de 18% dos 190 casos da doença que foram confirmados no Reino Unido até o dia 31 de maio.

Até agora, a UKHSA identificou ligações a bares gays, saunas e ao uso de aplicativos de encontros no Reino Unido e no exterior.

“As investigações continuam, mas, até agora, nenhum fator único ou exposição que ligue os casos foi identificado”, alertou a agência.