Alemanha anuncia envio de armas e munições à Ucrânia

A Alemanha anunciou que cederá armas para a Ucrânia para que forças de resistência possam combater a invasão militar russa, que começou na madrugada da última quinta-feira (24).

“É nosso dever fazer o possível para apoiar a Ucrânia em sua defesa contra o exército invasor de Putin. Por isso, estamos entregando mil armas antitanque e 500 mísseis Stinger para nossos amigos na Ucrânia”, informou o chanceler alemão Olaf Scholz, por meio de sua conta pessoal no Twitter.

Horas antes de confirmar o envio de armamentos à Ucrânia, Scholz já tinha declarado que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) não poupará esforços para defender todos os países que integram a aliança militar de eventuais ameaças russas.

Scholz referia-se a outras nações, já que a Ucrânia não integra a Otan, embora seja considerada um país parceiro e, há anos, venha sinalizando a intenção de participar da aliança – movimento combatido pelo governo russo, que teme o aumento da influência dos Estados Unidos no leste europeu.

Esta manhã, Scholz voltou a usar o Twitter para criticar o presidente russo Vladimir Putin. “A guerra de Putin não deve abrir velhas feridas. A reconciliação entre a Alemanha e a Rússia é um capítulo importante da história. Estamos com a Ucrânia e ao lado dos russos que corajosamente defendem a paz, a liberdade e os direitos humanos”.

Ajuda

Na sexta-feira (25), a Polônia já tinha enviado à Ucrânia um comboio militar com armas e munições. O país, que faz fronteira com a Ucrânia, foi o primeiro a enviar ajuda para que os soldados ucranianos possam resistir ao avanço russo.

“O comboio com a munição que entregamos à Ucrânia já chegou aos nossos vizinhos. Apoiamos os ucranianos, somos solidários e nos opomos firmemente à agressão russa”, anunciou no Twitter, o ministro da Defesa polonês Mariusz Blaszczak.

Informações da Agência Brasil