Eleito para Conselho de Segurança, Brasil defenderá paz e solução pacífica de controvérsias, diz Itamaraty

NOVA YORK (Reuters) – O Brasil vai buscar a defesa da paz e a solução pacífica das controvérsias em seu mandato de membro não-permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, para o qual foi eleito nesta sexta-feira pela Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas, disse o Ministério das Relações Exteriores em nota.

“No Conselho de Segurança, o Brasil buscará traduzir em contribuições tangíveis a defesa da paz e da solução pacífica das controvérsias, dentre outros princípios inscritos na Constituição Federal de 1988 e na Carta das Nações Unidas. O país pretende, ainda, fortalecer as missões de paz da ONU e defender os mandatos que corroborem a interdependência entre segurança e desenvolvimento”, disse o Itamaraty, em comunicado.

“O Brasil estará em posição privilegiada para atestar seu compromisso com a reforma do CSNU, para resguardar a legitimidade da atuação das Nações Unidas diante dos múltiplos e complexos desafios enfrentados pela comunidade internacional.”

O Brasil foi eleito, juntamente com Albânia, Gabão, Gana e Emirados Árabes Unidos, para um mandato de dois anos que começa em 1º de janeiro de 2022. Segundo o Ministério das Relações Exteriores, essa será a 11ª vez que o país integrará o mais importante órgão responsável pela segurança coletiva internacional.

“O resultado reflete o reconhecimento da histórica contribuição brasileira para a paz e a segurança internacionais”, disse o Itamaraty.

PARTICIPAÇÃO

Todos os cinco países concorreram sem adversários a uma vaga no organismo de 15 membros, encarregado de manter a paz e a segurança internacionais. Eles substituirão Estônia, Níger, São Vicente e Granadinas, Tunísia e Vietnã.

As vagas são distribuídas a grupos regionais para garantir a representação geográfica, mas mesmo que os candidatos não tenham rivais em seus grupos, ainda precisam obter o apoio de mais de dois terços da Assembleia-Geral.

Gana recebeu 185 votos, o Gabão 183 votos, os Emirados 179 votos, a Albânia 175 votos e o Brasil 181 votos.

O Conselho de Segurança é o único órgão da ONU que pode tomar decisões legalmente vinculantes, como impor sanções e autorizar o uso da força. Ele tem cinco membros permanentes com poder de veto –Estados Unidos, Reino Unido, França, China e Rússia.

(Por Michelle Nichols. Reportagem adicional de Ricardo Brito, em Brasília)

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH5A138-BASEIMAGE