Premiê italiano alerta Vaticano a não interferir em projeto contra homofobia

Por Crispian Balmer

ROMA (Reuters) – O primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, alertou nesta quarta-feira o Vaticano a não interferir nos debates parlamentares sobre um projeto de lei destinado a combater a homofobia, dizendo que a Itália é um Estado laico.

O Vaticano protestou neste mês junto ao governo italiano contra o projeto de lei, dizendo que, em sua forma atual, poderia restringir a liberdade religiosa da Igreja Católica.

Mas Draghi, um católico praticante, disse que o Parlamento é livre para discutir leis. “O nosso Estado é laico, não religioso”, disse ele ao Senado.

O premiê acrescentou que a Itália também tem freios e contrapesos no sistema para garantir que honrará suas obrigações internacionais.

“Nosso sistema jurídico contém todas as garantias para assegurar que as leis sempre respeitem os princípios constitucionais e os compromissos internacionais, incluindo a concordata com a Igreja”, afirmou.

Draghi se referia ao Tratado de Latrão, de 1929, que estabeleceu a Cidade do Vaticano como um Estado soberano e que regula as relações entre a cidade e a Itália.

O Vaticano, em carta entregue à embaixada da Itália na Santa Sé em 17 de junho, argumentou que o projeto de lei poderia minar este acordo.