Kate Moss testemunha em apoio a Johnny Depp em caso de difamação

A modelo britânica Kate Moss prestou depoimento na disputa judicial de difamação entre os atores Johnny Depp e Amber Heard nesta quarta-feira, quando os advogados do astro de “Piratas do Caribe” tentaram convencer o júri de que Heard era a agressora durante o relacionamento.

Depp, de 58 anos, está processando Heard em um tribunal no Estado norte-americano da Virgínia e pede 50 milhões de dólares, dizendo que ela o difamou quando disse que foi vítima de abuso doméstico. Heard, de 36 anos, respondeu com uma ação de 100 milhões de dólares, argumentando que Depp a difamou quando seu advogado disse que as alegações dela eram uma “farsa”.

Os advogados da Depp chamaram Moss como testemunha nesta quarta-feira depois de Heard ter testemunhado sobre uma época em que ela temia que Depp empurrasse sua irmã por uma escada abaixo. Heard disse que se lembrava de “rumores” de que Depp teria empurrado Moss por um lance de escadas, e por isso deu um tapa nele para impedi-lo de fazer mal à irmã.

Moss, que namorou Depp de 1994 a 1998, testemunhou que ela escorregou em uma escada e machucou as costas durante férias que o casal tirou na Jamaica. Depp correu para ajudá-la, levou-a para o quarto e chamou os serviços médicos, disse ela.

“Ele nunca me empurrou, me chutou ou me jogou escada abaixo”, disse Moss, que apareceu via vídeo, da Inglaterra.

Os argumentos finais do caso estão agendados para sexta-feira.

Em depoimentos anteriores, Depp disse aos jurados que nunca bateu em Heard e argumentou que foi ela quem se tornou violenta.

O caso refere-se a um artigo de opinião de dezembro de 2018 publicado por Heard no jornal Washington Post sobre violência doméstica. O artigo nunca mencionou Depp pelo nome, mas seu advogado disse aos jurados que estava claro que Heard estava se referindo a ele. O divórcio do casal foi finalizado em 2017, após menos de dois anos de casamento.

Os advogados de Heard argumentam que ela diz a verdade e que sua opinião está protegida pela liberdade de expressão, de acordo com a primeira emenda da Constituição norte-americana.

Há menos de dois anos, Depp perdeu um processo por calúnia contra o jornal The Sun, um tablóide britânico que o chamou de “agressor de mulher”. Um juiz de uma Alta Corte de Londres decidiu que ele havia agredido Heard repetidas vezes.