Número de refugiados no mundo ultrapassa 100 milhões pela primeira vez

O número de pessoas forçadas a fugir de conflitos, violência e violação dos direitos humanos no mundo ultrapassou 100 milhões pela primeira vez. Segundo monitoramento da Organização das Nações Unidas (ONU), a cifra foi impulsionada pela guerra da Rússia contra a Ucrânia, que, até o momento, contabiliza mais de 7 milhões de civis em situação de refúgio.

“Cem milhões é uma figura gritante – sóbria e alarmante na mesma medida. É um recorde que nunca deveria ter sido estabelecido”, disse o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados, Filippo Grandi. “Isso deve servir como um alerta para resolver e prevenir conflitos destrutivos, acabar com a perseguição e abordar as causas subjacentes que forçam pessoas inocentes a fugir de suas casas”, acrescentou.

Até o fim do ano passado, o número de pessoas deslocadas à força era de 89,3 milhões, valor 8% maior em comparação com 2020 e bem mais que o dobro de 10 anos atrás. O cenário foi impulsionado, principalmente, por novas ondas de violência ou conflitos prolongados em países como Etiópia, Mianmar, Nigéria, Afeganistão e República Democrática do Congo. 

Com mais de 1% da população global, o número global de refugiados, solicitantes de asilo e deslocados internos equivale ao 14º país mais populoso do mundo. “A ajuda humanitária é um paliativo, não uma cura. Para reverter essa situação, a única resposta é paz e estabilidade para que pessoas inocentes não sejam forçadas a jogar entre perigo agudo em casa ou fuga precária e exílio”, afirmou Grandi.

Informações de SBT News