OMS promete nada “ridículo” em processo de escolha de novo nome para varíola dos macacos

 Poxy McPoxface, TRUMP-22 ou Mpox: essas são algumas das ideias enviadas pelo público à Organização Mundial da Saúde (OMS), que busca um novo nome para a varíola dos macacos, também chamada de monkeypox.

Muitas vezes, os nomes das doenças são escolhidos a portas fechadas por um comitê técnico, mas a OMS decidiu desta vez abrir o processo ao público. Após um início lento, dezenas de envios já foram feitos por uma série de colaboradores, incluindo acadêmicos, médicos e um ativista da comunidade gay.

As sugestões vão do técnico (OPOXID-22, apresentado pelo médico de emergências, Jeremy Faust, da Faculdade de Medicina de Harvard) ao ridículo (Poxy McPoxface, apresentado por Andrew Yi em alusão a Boaty McBoatface — que quase foi o nome de um navio de pesquisa polar britânico depois de uma votação popular).

A pressão está crescendo por um novo nome para a doença, em parte porque os críticos dizem que o atual é enganoso, já que os macacos não são o hospedeiro original do vírus. Um grupo de cientistas de renome divulgou um documento em junho se posicionando a favor de um nome que fosse “neutro, não discriminatório e não estigmatizante” em meio a temores de que o nome pudesse ser usado de maneira racista.

Até este ano, a varíola dos macacos se espalhava principalmente em um grupo de países da África Ocidental e Central.

“É muito importante que encontremos um novo nome para a varíola dos macacos, porque esta é a melhor prática para não criar nenhuma ofensa a um grupo étnico, uma região, um país, um animal, etc”, disse a porta-voz da OMS, Fadela Chaib, nesta terça-feira.

Um dos nomes enviados mais populares até agora é o Mpox, apresentado por Samuel Miriello, diretor da organização de saúde masculina Rézo, que já está usando o nome em suas campanhas de divulgação em Montreal, no Canadá.

Outra proposta, TRUMP-22, parecia referir-se ao ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, que usou o controverso termo “vírus chinês” para o novo coronavírus, embora seu autor tenha dito que significava “Erupção Tóxica de Procedência Misteriosa Não Reconhecida (na sigla em inglês) de 2022”.

Submissões zombando da comunidade gay já haviam sido postadas, mas depois foram removidas do site da OMS.

A OMS tem um mandato para atribuir novos nomes às doenças existentes sob a Classificação Internacional de Doenças. A instituição já renomeou variantes do vírus da varíola dos macacos, ou clados, mudando-os de regiões africanas para algarismos romanos.

A OMS disse que decidirá entre as propostas “de acordo com sua validade científica, aceitabilidade, pronunciabilidade (e) se podem ser usadas em diferentes idiomas”.

A varíola dos macacos foi descoberta pela primeira vez em 1958 e nomeada após o animal ser o primeiro a apresentar sintomas. A OMS declarou o surto atual uma emergência de saúde pública no mês passado, tendo relatado mais de 32 mil casos em mais de 80 países.