Briga entre mulheres por ciúme seria motivação de tripla tentativa de homicídio

Uma operação da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) cumpriu mandados e prendeu três envolvidos em uma tripla tentativa de homicídio contra duas moças e um rapaz durante uma festa que acontecia no bairro Sítio Cercado, em Curitiba. O crime ocorreu em março deste ano e, segundo as investigações, teria sido motivado por ciúme.

A ação ocorreu simultaneamente nos bairros Ganchinho, na capital paranaense, e no município de Fazenda Rio Grande, na Região Metropolitana de Curitiba. Nas buscas, um homem com mandado de prisão em aberto também foi capturado e, um dos dos envolvidos, que não foi localizado, é considerado foragido.  

Na data do crime, de acordo com a polícia, dois dos quatro envolvidos chegaram em uma festa que as vítimas participavam com o intuito de causar uma briga e atrair as duas mulheres para a rua. Enquanto isso, dois homens, que seriam os atiradores, aguardavam do lado de fora do evento. Após os disparos, as vítimas sobreviveram ao ataque e foram levadas ao hospital.

“Ocorreu uma briga entre dois grupos de meninas, que passaram a trocar lesões corporais reciprocas. Um desses grupos atraiu as vítimas para fora de onde ocorria uma festa. A partir do momento que as mulheres saíram, os rapazes teriam passado a disparar contra elas e também acertaram um rapaz, que não fazia parte desse contexto de briga”, disse o delegado, Victor Menezes, da DHPP.

(Foto: Reprodução)

Durante as investigações, a Polícia Civil descobriu que a motivação seria uma crime atrelado as duas mulheres, que foram presas. Elas teriam atraído as vítimas facilitando a execução do crime por conta de ciúme de um ex-namorado.

“O motivo principal teria sido ciúme, mas eram meninos que já tinham desavenças anteriores e o conflito evoluiu, quando dois rapazes ‘compraram’ a briga de meninas e passaram a disparar contra as vítimas”, concluiu o delegado.

A Polícia Civil pede a ajuda da população para localizar o outro atirador, que permanece foragido. s denúncias podem ser feitas de forma anônima pelos telefones 197 da PCPR, 181 Disque Denúncia ou 0800-6431-121, diretamente à equipe de investigação.