Chefão do PCC condenado a 76 anos é recapturado quase um ano depois de romper tornozeleira

O MP-PR afirmou que o homem também havia fugido da prisão em julho de 2019, onde foi recapturado dois meses depois

Apontado como um dos líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC), Valacir Alencar, de 39 anos, foi recapturado pela Polícia Militar (PM), nesta segunda-feira (12), em um restaurante luxuoso de Curitiba. Ele foi condenado a 76 anos, mas se aproveitou da prisão domiciliar por fazer parte do grupo de risco do novo coronavírus e rompeu a tornozeleira eletrônica.

Condenado por tráfico de drogas, homicídio e porte ilegal de arma, o homem deixou a Penitenciária Estadual de Piraquara (PEP), no ano passado, após a decisão do juiz substituto da 1ª Vara de Execuções Penais de Curitiba. De acordo com o Departamento Penitenciário (Depen), o líder da facção sofre de hipertensão e colocou o equipamento às 10h23 do dia 17 abril. Às 15h23, o sistema de monitoração registrou que a tornozeleira foi rompida.

Valacir voltou à prisão após ser flagrado com uma mulher em um restaurante, na capital. Com ele, foram apreendidos uma pistola 9mm, munições, um carregador de munição, colete à prova de balas, um documento falso e até uma peruca para usar como disfarce.

Ação criminosa

Segundo a polícia, o chefão do PCC agia em Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba. As investigações apontam ainda que os homicídios estavam ocorrendo na região após determinação de Valacir.

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) afirmou que o homem também havia fugido da prisão em julho de 2019, onde foi recapturado dois meses depois, quando tentou usar um documento falso e acabou recebendo voz de prisão.

(Foto: Divulgação/PM)