Empresário sofre sequestro em Curitiba e é resgatado pelo Grupo Tigre

Equipes do Tático Integrado de Grupos de Repressões Especiais (Tigre) resgatou um empresário paraense que passou dois dias em cativeiro na cidade de Curitiba. A vítima foi sequestrada na noite de sexta-feira (16) e só foi liberada neste domingo (18) a partir de denúncias feitas ao Grupo Tigre. Segundo a polícia, o caso teria relação com o tráfico de drogas, já que a vítima é usuária.

O empresário viajou de Belém (PA) e chegou à capital paranaense na quarta-feira (14). Ele decidiu ficar na cidade por alguns dias antes de seguir para Balneário Camboriú (SC), onde faria negócios. Na noite de sexta ele saiu para ‘curtir a noite’ e usar drogas, segundo informou o delegado-chefe do Grupo Tigre, Cristiano Quintas. “Ele foi atraído por traficantes até um quarto de pensão no centro de Curitiba e permaneceu em cativeiro durante todo o fim de semana”, explica.

Um amigo da vítima que não tinha ido para a balada na noite em que ele foi sequestrado procurou a polícia na manhã de domingo para relatar o desaparecimento do colega. Rapidamente os policiais reuniram provas e descobriram que ele estaria sendo mantido em cativeiro. A investigação rapidamente levou até um homem de 24 anos que já é conhecido do setor policial por seu envolvimento com o tráfico de drogas.

Num primeiro momento, ele negou que o empresário tivesse sido sequestrado e garantiu que ele tinha ido por vontade própria até a pensão, mas logo em seguida confessou que a vítima era mantida em cárcere privado. Ele foi preso em flagrante e o cativeiro, estourado. A vítima foi resgatada e levada para prestar depoimento. Os traficantes diziam que a vítima devia dinheiro para eles e que o homem só seria liberado quando o valor fosse pago.

No entanto, os policiais descobriram que os bandidos obrigaram o empresário a fazer várias transferências bancárias e, depois de limparem a conta dele, passaram a extorquir familiares e amigos. “Não que justifique, mas o valor transferido pela vítima aos traficantes era muito superior à quantidade de drogas que ele tinha consumido, o que caracteriza o crime de extorsão mediante sequestro”, completa o delegado.

A investigação continua a fim de identificar outras pessoas envolvidas. O homem preso responderá por extorsão mediante sequestro, com pena de 8 a 15 anos de prisão, e por tráfico de drogas, com pena mínima de cinco anos.