Novidades no caso da criança de três anos torturada pelos pais em Arapongas

As marcas no corpo do menino de 3 anos mostram um tipo de tratamento que ele tinha em casa. A denúncia de maus tratos chegou até o Conselho Tutelar que foi no endereço no Jardim Colúmbia em Arapongas no Norte do Paraná. 

O cadarço do tênis da mãe que segundo a denúncia era usado para amarrar o filho de 3 anos, está na mesa da delegada da polícia civil que investiga o caso de maus tratos e tortura que levou os pais para prisão. Analisa Alves Marçal, 25 anos, conseguiu liberdade provisória por estar grávida, já o marido André Rocha Rossetti 43 anos, continua preso e teve a prisão transformada em provisória. 

Quando chegaram no local o menino não estava amarrado, porém havia hematomas e cicatrizes na criança mas a falta de condições de higiene foram detectadas pelas autoridades. O Conselho Tutelar encaminhou o menino e sua irmã uma bebê de 10 meses para uma casa abrigo onde devem ficar até que a justiça tome uma decisão definitiva.

Dona Beatriz da Silva é mãe de duas crianças pequenas e ficou espantada quando soube do caso. Ela relata que nunca viu a mulher e as crianças do lado de fora da casa. Pelo bairro a revolta por conta da forma que o menino era tratado é geral. Os pais foram presos em flagrante e devem responder por lesão corporal e tortura.

Confira o depoimento dos delegados do caso na reportagem completa do Tribuna da Massa Londrina: