PF cumpre mandados em operação de combate à fraude eleitoral em Pinhais

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (1°) a Operação Fake Adress II. O objeto, segundo a PF, é apurar possíveis crimes de falsidade ideológica eleitoral, alistamento fraudulento e corrupção eleitoral em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. A ação é um desdobramento de investigações realizadas pela PF durante operação deflagrada em outubro de 2020.

As investigações se iniciaram após o Juízo da 188ª Zona Eleitoral de Pinhais ter detectado 51 transferências de domicílio eleitoral utilizando comprovantes de endereço falsificados. Foi possível vincular tais transferências a dois moradores de Curitiba que, de acordo com as investigações, foram contratados pelo irmão de um candidato em Pinhais para buscarem eleitores domiciliados na capital.

As pessoas contratadas cooptaram os eleitores, mediante pagamento de valores financeiros para que realizassem as transferências. Havia ainda a promessa de pagamento complementar, caso votassem nas eleições 2020.

(Foto: Divulgação/PF)

Durante as investigações detectou-se que o irmão do candidato providenciou advogada para seus contratados, com o objetivo de inibir a apuração de sua responsabilidade criminal, inclusive com fornecimento de informações falsas.

Três mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos nas residências dos irmãos e no gabinete do candidato, que conseguiu ser eleito vereador em Pinhais. O objetivo das buscas, além de indícios da responsabilidade criminal dos contratantes, é identificar outros eleitores que participaram do mesmo esquema.

Informações da Polícia Federal