Polícia encontra corpo de rapaz que sumiu após festa na RMC

Foi resgatado nesta sexta-feira (19) o corpo de Felipe Augusto França, de 30 anos de idade, desaparecido desde o dia 6 deste mês. O cadáver estava numa área alagada que fica na Planta Santa Catarina, na cidade de Piraquara, região metropolitana de Curitiba, perto do local onde ele desapareceu depois de participar de uma festa.

Equipes da Polícia Civil receberam a informação de que haveria um cadáver nessa região e, com auxílio de um drone, o corpo foi encontrado. Equipes do Corpo de Bombeiros foram chamadas para remover o homem de dentro da água e, no bolso da calça, um RG comprovou que a vítima era mesmo o rapaz desaparecido.

Numa análise preliminar do corpo, não foram encontradas lesões que possam indicar a causa da morte. O corpo foi recolhido pelo Instituto Médico Legal (IML), onde exames de necropsia poderão identificar a causa da morte de Felipe França e, a partir daí, a Polícia Civil poderá definir se instaura inquérito para investigar a ocorrência de um homicídio.

Foto: Michael Machaki/Rede Massa

O pai da vítima, Sergio França, conversou com a imprensa no local e disse que já esperava que o corpo de seu filho estivesse naquela região. Embora a polícia ainda não considere ninguém suspeito por causa das condições em que o corpo foi encontrado, ele está convicto de que há culpados pela morte de seu filho e espera que essas pessoas paguem pelo crime.

Briga antes do desaparecimento

A última vez que França foi visto com vida foi em uma festa na cidade de Pinhais, também na região metropolitana de Curitiba. Câmeras de segurança flagraram quando ele foi agredido por familiares de sua namorada – a jovem argumentou que seu companheiro tinha lhe agredido e, por isso, seus parentes partiram para cima do namorado.

O rapaz decidiu seguir a pé depois de apanhar dos parentes da namorada e, desde então, não foi mais visto. Como o corpo não tinha lesões que indicassem a prática do homicídio, nenhum dos agressores do rapaz é considerado suspeito – todos serão ouvidos novamente na próxima semana e a linha de investigação só será alterada se os exames do IML apontarem a possibilidade de crime.

Colaboração de Winny Amorim/Rede Massa.