“Pra que isso, Tiago”, disse empresário antes de ser morto no Litoral

A Polícia Civil já deu início às investigações que apuram o assassinato do empresário Maruan Majid, ocorrido na noite deste domingo (13) em Matinhos, no litoral do Paraná. A namorada dele sobreviveu ao atentado e seu depoimento será fundamental para o esclarecimento do caso. Isso porque ela ouviu as últimas palavras do companheiro e acredita que ele conhecia o assassino.

“Pra que isso, Tiago?”. Essas teriam sido as últimas palavras de Majid antes de ser morto a tiros dentro da casa do empresário, no Balneário Perequê. Essa frase foi ouvida pela namorada dele, que também foi baleada no rosto, mas sobreviveu porque conseguiu se esconder no banheiro e chamar a polícia.

O caso segue sob investigação da Polícia Civil de Matinhos e a delegada Sâmia Cosen disse que as buscas pelo autor do crime estão apenas no começo. A polícia ainda não descarta a possibilidade de um latrocínio, já que a coleção de armas do empresário sumiu após o crime. A caminhonete dele foi encontrada perto da casa da vítima, e dentro do veículo estavam as armas e munições

A delegada responsável pela investigação também esclareceu que depende dos laudos das perícias que serão realizadas no veículo e também nos objetos e no local do crime para tentar encontrar o autor do assassinato. Por enquanto, a principal pista é o nome citado por Majid antes de ser morto: Tiago.

A única pessoa com esse nome que fazia parte do círculo social do empresário é o caseiro contratado por ele e que mora em frente à casa da vítima. A Polícia Militar esteve no imóvel e, na primeira abordagem, Tiago não estava no local. Os policiais conversaram com a esposa dele, que disse que o homem tinha saído para comprar fraldas. Quando Tiago chegou em casa, no entanto, disse que tinha ido comprar cigarros.

Com as informações conflitantes, o rapaz foi levado até a delegacia para prestar depoimento, foi ouvido e liberado na sequência. Mais novidades sobre o caso devem ser reveladas durante a semana, quando os laudos ficarão prontos e ajudarão a Polícia Civil a avançar nas investigações.

Colaboração de Douglas Bandeira/ Rede Massa.