‘Eu falo palavrão, mas não sou ladrão’: confira destaques da sabatina de Bolsonaro com Ratinho; vídeo

O apresentador Carlos Massa, o Ratinho, começou a série de sabatinas com os presidenciáveis nesta terça-feira (13), às 20 horas, no quadro “Candidatos com Ratinho”, transmitido no SBT. O primeiro convidado foi Jair Bolsonaro.

A entrevista foi ao vivo e teve duração de 30 minutos ininterruptos. Nos próximos dias, outros presidenciáveis devem ser entrevistados pelo Ratinho.

Confira os destaques da sabatina:

Pandemia

Ratinho iniciou a sabatina perguntando sobre a administração da pandemia do coronavírus no Brasil. Bolsonaro disse que a covid-19 foi uma das situações que o governo enfrentou. Como solução para os problemas econômicos vividos no período, ele citou o Auxílio Brasil.

“O Brasil está indo muito bem, graças a Deus”, disse Bolsonaro.

Fome

O sabatinado disse que a inflação dos alimentos é um problema em todos os países, mas afirma que o Brasil possui controle da situação e que o preço da comida nos supermercados vai baixar.

Em seu panorama, os outros países enfrentam uma inflação maior que a do Brasil, que possui mais de 33 milhões de pessoas com fome, de acordo com o 2º Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil.

Ele afirmou que com os programas voltados para o fomento da agricultura familiar, o valor dos alimentos vai cair e não haverá falta de comida em lugar algum.

Auxílio Brasil e economia

“Com o bolsa-família, o PT escravizava as pessoas”, disse Bolsonaro. Ele afirmou que o Auxílio Brasil será de R$ 600 e que será possível comprar muitos mais itens em comparação com os programas dos governos anteriores.

Entre as diferenças do bolsa-família e do Auxílio Brasil, Bolsonaro afirmou que em seu programa é possível ganhar o auxílio e continuar trabalhando. De acordo com ele, essa também é uma solução para o desemprego.

Para Bolsonaro, uma ferramenta que auxilia a movimentar a economia é o PIX pela possibilidade de transações mais rápidas.

Putin

Ratinho perguntou por que o presidente foi até a Rússia no dia 15 de fevereiro deste ano. Bolsonaro justificou que foi conversar com Putin sobre fertilizantes, pois o Brasil é dependente do produto e a importação era uma preocupação.

“Não tenho como evitar a guerra, mas não posso trazer a fome para o Brasil por uma questão pessoal”, afirma. O presidente ainda comentou que continua as negociações com o presidente russo.

Imprensa

Com relação ao tratamento com a imprensa, Bolsonaro revela que já se excedeu em alguns momentos. “Tenho deixado de conversar com a imprensa para não ter estresse. A imprensa bate na ferida o tempo todo”, afirmou o candidato.

Ele reclamou do tratamento que recebe e negou escândalos com a vacina Covaxin e com pedidos de propinas realizado a prefeitos por meio do ex-Ministro da Educação, Milton Ribeiro. Bolsonaro alega que o Brasil não tem corrupção desde o início de seu mandato.

Segurança

Para combater milícias, falta apoio do Supremo Tribunal Federal, de acordo com o sabatinado. Ele disse que em seu governo a violência diminuiu 40% e que aumentaram as operações policiais.

Bolsonaro acredita que a população civil deveria ter armas como alternativa para diminuir a violência no país.

Meio ambiente

Bolsonaro comentou que o Brasil tem potencial de explorar a energia eólica, concentrada no Paraná. Ele explica que para fazer esse aumento, algumas ações estão sendo adotadas na região, como a reforma do aeroporto em Foz do Iguaçu e a criação da ponte que liga Paraguai e Brasil.

Com relação ao cuidado com o meio ambiente, o candidato afirmou que no ano que vem, o imposto para a ração de peixe será zerado.

Saúde

O atual presidente diz que a pandemia deixou como legado o aumento de leitos em hospitais no Brasil, que agora podem ser utilizados para o tratamento de outras doenças.

Para ele, uma medida em seu governo que mostra a atenção com a pasta foi o aumento do salário dos enfermeiros.

Educação

Bolsonaro diz que a troca de ministros, efetuada quatro vezes durante seu mandato, não prejudica o setor. Ele acredita que a educação foi ‘perdida’ durante dois anos, devido à pandemia.

Quanto à paralisação das aulas, o sabatinado comenta que era contra. Ele concluiu que os jovens deveriam ter continuado frequentando aulas presenciais, pois eram assintomáticos à covid-19.

Países vizinhos

O candidato disse que Argentina, Chile e Colômbia vivem problemas econômicos por estarem sendo governados por presidentes de esquerda. O presidente alega que na Colômbia a população come cachorros para não passar fome.

“O Nicarágua prende padres e expulsa freiras. Nós não podemos deixar que isso chegue no Brasil, porque o ex-presidente diz que cada presidente pode fazer o que quiser, mas não é bem assim”.

Erros em governo

Para Bolsonaro, o único erro em seu governo foi falar palavrões.

“Eu falo palavrão, mas não sou ladrão”, disse.

Confira a íntegra da sabatina