Por que voltar a estudar depois dos 40 anos?

Voltar a estudar após os 40 anos causa insegurança em muitas pessoas que, mesmo tendo vontade de finalizar os estudos, se rendem aos preconceitos gerados quando alguém mais velho está em sala de aula.

De acordo com Renato Alves, escritor, pesquisador, palestrante internacional e o primeiro a receber o título de Melhor Memória do Brasil, são diversos os motivos que fazem com que alguém decida abandonar a escola. “Muitos brasileiros, especialmente mulheres, tiveram que parar de estudar muito cedo. Seja devido ao trabalho, para ajudar em casa, ou constituíram uma família muito cedo e não sobrou tempo para os estudos em detrimento das novas responsabilidades”, lamenta.

Diversos questionamentos passam na cabeça dessas pessoas ao decidir se irão ou não voltar aos estudos. “Será que consigo manter atenção numa aula? Será que consigo memorizar as matérias? Será que na hora da prova não vou passar vergonha? E se disserem que estou velho demais para estudar? Deixe esses questionamentos de lado e saiba que nem sempre as coisas acontecem da forma como gostaríamos”, aconselha o escritor. 

Para Alves, a maturidade que as pessoas têm aos 40 pode ser um trunfo no ambiente estudantil. “Imagine que uma pessoa de 45 anos resolveu entrar na faculdade. No primeiro dia de aula, um garoto de 17 anos senta ao seu lado. O professor entra na sala e começa a explicar sobre a matéria. Quem terá mais consciência, segurança e conexão com o professor para valorizar aquele conhecimento que está sendo passado na aula? Eu posso afirmar com toda certeza que será o adulto de 45, que já venceu a fase da timidez e terá mais iniciativa na hora de perguntar e interagir com o professor, valorizando seu tempo e dinheiro”, pontua.

Segundo o palestrante, muitos jovens sentem dificuldades nos estudos e na compreensão das matérias simplesmente porque tem medo de se comunicar. “Eu, por exemplo, aos 17 anos era muito fechado, falava pouco e, por conta disso, acabei perdendo ótimas oportunidades de aprender sobre outros assuntos simplesmente pela falta de iniciativa. Hoje em dia, eu sou outra pessoa, graças à experiência que eu ganhei com a idade”, relata.

Outra preocupação de quem volta a estudar após os 40 anos é com as condições do cérebro e da memória que julgam estar fraca devido à baixa capacidade de memorização das inúmeras matérias, textos, gráficos, números, etc. Entretanto, existem diversos exemplos de pessoas mais velhas que deram início a sua jornada acadêmica com uma idade mais avançada iniciando um curso superior, uma pós-graduação, aprendendo um novo idioma e até mesmo programação. Além de conseguirem um novo diploma e a oportunidade de uma melhor colocação no mercado, voltar a estudar nos faz experimentar a longevidade com lucidez. “A maturidade de alguém que passou por tantas provas da vida proporciona mais condições de levar os estudos a sério e aprender. Só existe vantagem para quem volta a estudar após os 40 anos.”, declara.

Renato acredita que sim, a idade traz suas adversidades. Mas a memória pode ser fortalecida com exercícios realizados diariamente. “Se você acredita que não consegue memorizar as matérias ou que não tem capacidade de entender as aulas, siga porque o potencial existe, só é preciso fazer com que ele aflore. Quando você começar a exercitar a sua memória com a leitura e os estudos, vai perceber que ela irá se fortalecer gradualmente, que você vai conseguir acompanhar rapidamente o ritmo dos estudos e conseguirá memorizar com muito mais facilidade”, finaliza.