Reino Unido deve apresentar temperatura mais alta da história nesta segunda

Por Kate Holton e Muvija M

LONDRES (Reuters) – O Reino Unido estava a caminho de seu dia mais quente já registrado, nesta segunda-feira (18), com temperatura prevista para chegar a 40°C pela primeira vez, forçando companhias ferroviárias a cancelar serviços e algumas escolas a fechar, enquanto ministros pediam à população que fique em casa.

Grande parte da Europa está sofrendo com uma onda de calor que elevou as temperaturas para cerca de 40 graus Celsius em algumas regiões, com incêndios florestais devastando campos secos em Portugal, Espanha e França.

O governo britânico disparou um alerta de “emergência nacional”, já que as temperaturas nesta segunda (18) e terça-feira (19) devem ultrapassar os 38,7°C registrados no Jardim Botânico da Universidade de Cambridge em 2019.

Ao meio-dia, leituras de quase 35°C estavam sendo registradas no sul da Inglaterra.

“Temos 48 horas difíceis pela frente”, disse Kit Malthouse, ministro encarregado da coordenação do governo, à rádio BBC. Mais tarde, ele presidirá uma reunião do comitê de resposta a emergências do governo.

A rede ferroviária nacional pediu aos passageiros que não viajem a menos que seja necessário e disse que alguns serviços -incluindo uma rota importante entre o nordeste da Inglaterra e Londres – não funcionarão durante alguns períodos da terça-feira (19).

A rede de metrô de Londres impôs restrições temporárias de velocidade, o que significa que operaria um serviço reduzido com viagens demorando mais do que o normal, e pediu aos passageiros que fiquem em casa.

Jake Kelly, da Network Rail, disse esperar que as operações normais sejam retomadas na quarta-feira (20), quando as temperaturas devem cair, mas isso dependerá “dos danos que o clima causar à infraestrutura nos próximos dias”.