Rússia acusa Ucrânia de torturar prisioneiros de guerra

O governo da Rússia informou, nesta terça-feira (5), que está investigando denúncias de tortura por parte da Ucrânia envolvendo soldados russos capturados em guerra. Segundo as autoridades, são apurados casos de espancamento, tortura com eletricidade e privação de alimentos ou água.

Apesar das denúncias, Moscou não informou quantos militares estão presos em território ucraniano. Na última semana, o governo anunciou apenas que 144 soldados foram capturados durante as batalhas, que agora se intensificam no leste do país. Até o momento, 6 mil ucranianos estão detidos na Rússia.

As acusações do Kremlin acontecem em meio a denúncias do governo da Ucrânia sobre crimes de guerra cometidos pelo exército russo. Tais ações, que incluem ataques a áreas residenciais e deslocamento forçado de civis, já estão sendo investigadas por membros da Anistia Internacional, União Europeia (UE) e do Tribunal Penal Internacional.

Em pronunciamento na segunda-feira (4), o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, reforçou que “as tropas locais não podem baixar as armas, porque senão o estado e os cidadãos ucranianos desaparecerão”. “A Rússia escolheu o caminho da guerra, a Ucrânia está lutando pelo caminho da paz”, afirmou.

De acordo com dados da Organização das Nações Unidas (ONU), a ofensiva russa na Ucrânia já resultou na morte de ao menos 5 mil civis e 13 milhões de deslocados. Destes, 7,2 milhões estão em situação de refúgio na Europa e menos da metade foram inscritos em programas de proteção.

Informações de SBT News